NOTÍCIAS


Uvas citadas na Bíblia são descobertas por arqueólogos em Israel


Arqueólogos da Universidade de Tel Aviv (TAU) e da Universidade de Haifa fizeram uma “descoberta extraordinária e emocionante” ao encontrarem sementes que estabelecem uma conexão genética entre duas variedades modernas de uvas vermelhas e brancas, cultivadas há mais de 1.100 anos.

Essas sementes, aparentemente foram mencionadas em dois livros diferentes da Bíblia.

“Descobriu-se que uma semente antiga pertencia à variedade Syriki, ainda usada para fazer vinho tinto de alta qualidade na Grécia e no Líbano. Como as uvas para vinho geralmente recebem o nome de seu local de origem, é bem possível que o nome Syriki seja derivado de Nahal Sorek, um importante riacho nas colinas da Judeia. Uma segunda semente foi identificada como relacionada à variedade Be’er de uvas brancas que ainda crescem nas areias de Palmachim, na costa do Mediterrâneo.”

O estudo recente foi realizado em colaboração entre o Laboratório de Paleogenômica do Museu Steinhardt de História Natural da Universidade de Tel Aviv (TAU) e a Universidade de Haifa, analisando o DNA de antigas sementes de uva local descobertas em escavações arqueológicas no Negev.

O que foi encontrado

De acordo com o The Jerusalem Post, o estudo genético foi conduzido pelas pesquisadoras Dra. Pnina Cohen e Dra. Meirav Meiri, da Universidade de Tel Aviv (TAU). As sementes foram descobertas durante escavações arqueológicas lideradas pelo Prof. Guy Bar-Oz e seus colegas da Escola de Arqueologia e Culturas Marítimas da Universidade de Haifa, em colaboração com pesquisadores da Autoridade de Antiguidades de Israel.

A equipe contou ainda com os pesquisadores do Weizmann Institute of Science em Rehovot, da Bar-Ilan University em Ramat Gan, juntamente com instituições de pesquisa na França, Dinamarca e Reino Unido.

O artigo foi publicado na principal revista científica PNAS sob o título “DNA antigo de uma uva perdida do deserto de Negev Highlands revela uma linhagem de vinho da Antiguidade Tardia”.

Sementes de uva descobertas por arqueólogos de Israel. (Foto: Prof. Guy Bar-Oz, Universidade de Haifa)

Os pesquisadores disseram que a primeira variedade de uva encontrada pode até mesmo ter sido mencionada na Bíblia – na bênção de Jacó a seu filho Judá: “Ele amarrará seu jumento a uma videira, seu jumentinho ao ramo mais escolhido (soreka); ele lavará suas vestes no vinho, suas vestes no sangue das uvas (Gênesis 49:11); e talvez também sugerido no gigantesco cacho de uvas trazido pelos homens enviados por Moisés para explorar a Terra de Israel: “Quando chegaram ao vale de Eshkol (identificado por alguns como Nahal Sorek), cortaram um galho com uma única cacho de uvas. Dois deles o carregavam numa vara entre si” (Números 13:23).

Bar-Oz observou que “escavações arqueológicas realizadas no Negev nos últimos anos revelaram uma florescente indústria vinícola dos períodos bizantino e árabe inicial (por volta dos séculos IV a IX dC, especialmente nos locais de Shivta, Haluza, Avdat e Nizana, que eram cidades grandes e prósperas na época. As descobertas incluem grandes lagares, jarros em que o vinho exclusivo exportado para a Europa era armazenado e sementes de uva preservadas por mais de 1.000 anos.”

Ele acrescentou que esta indústria “declinou gradualmente após a conquista muçulmana no século VII, uma vez que o Islã proíbe o consumo de vinho. O cultivo de uvas para vinho no Negev foi renovado apenas nos tempos modernos, no Estado de Israel, principalmente a partir da década de 1980. Essa indústria, no entanto, depende principalmente de variedades de uva importadas da Europa.”

Tecnologias avançadas

Uma descoberta de grande interesse foi feita no solo de uma sala fechada em Avdat – um tesouro de sementes de uva. Os pesquisadores destacam que essas sementes estão surpreendentemente bem preservadas devido à proteção contra fenômenos climáticos como temperaturas extremas, inundações ou desidratação. Com o objetivo de determinar a qual variedade essas sementes pertencem, os pesquisadores se preparam para extrair seu DNA no laboratório de paleogenética.

“A ciência da paleogenômica usa uma gama de tecnologias avançadas para analisar genomas antigos, principalmente de achados arqueológicos. Como a molécula de DNA é muito sensível e se desintegra com o tempo, principalmente em altas temperaturas, costumamos obter apenas pequenos pedaços de DNA, muitas vezes em péssimo estado de conservação”, explicou Meiri.

“Para protegê-los, trabalhamos sob condições especiais: o laboratório paleogenético é um laboratório limpo e isolado com pressão de ar positiva que mantém os contaminantes fora, e entramos nele em ‘trajes espaciais’ esterilizados, familiares a todos da pandemia de Covid.”

Os pesquisadores primeiro procuraram qualquer matéria orgânica remanescente nas sementes usando FTIR (espectroscopia infravermelha de transformada de Fourier). Essa técnica utiliza radiação infravermelha para produzir um espectro de luz que identifica o conteúdo da amostra. Ao identificarem resquícios de matéria orgânica em 16 sementes, eles prosseguiram com a extração do DNA das amostras.

Sítios genômicos

Após a extração do DNA, ele foi submetido a um processo de sequenciamento, focando em aproximadamente 10.000 sítios genômicos, onde normalmente são encontradas características distintas das diferentes variedades de videiras.

Os resultados obtidos foram comparados com bancos de dados de videiras modernas de várias regiões do mundo. (Foto: Prof. Guy Bar-Oz, Universidade de Haifa)

Os resultados obtidos foram então comparados com bancos de dados de videiras modernas de várias regiões do mundo. Em 11 amostras, a qualidade do material genético era insuficiente para chegar a uma conclusão definitiva. No entanto, das amostras restantes, três delas foram identificadas como pertencentes a variedades locais comuns.

Amostras de qualidade

Finalmente, as duas amostras de maior qualidade, datadas de cerca de 900 d.C., foram identificadas como pertencentes a variedades locais específicas que ainda existem atualmente.

Outra semente de alta qualidade foi identificada como sendo da casta Be’er, uma variedade de uva branca que ainda é cultivada nas areias de Palmachim, em vestígios de vinhas que provavelmente foram abandonadas no meio do século XX.

Pela primeira vez, os pesquisadores utilizaram o genoma de uma semente de uva para determinar a cor da fruta, confirmando que se tratava de uma uva branca – o registro botânico mais antigo de uma variedade branca já identificado.

Be’er, uma variedade local única nativa da Terra de Israel, é usada hoje pela vinícola Barkan para fazer um vinho branco especial próprio. “O maravilhoso da paleogenética é que, às vezes, itens minúsculos podem contar uma grande história. Foi exatamente isso que aconteceu em nosso estudo. Com apenas um pouco de DNA extraído de duas sementes de uva, conseguimos traçar a continuidade da indústria vinícola local – desde o período bizantino, há mais de 1.000 anos, até os dias atuais”, concluiu Meiri.

“Acreditamos que nossas descobertas também são significativas para a moderna indústria vinícola de Israel, que vem crescendo e prosperando nas últimas décadas. Hoje, a maioria das variedades cultivadas aqui foram importadas da Europa, de modo que as condições locais não são ideais para elas. As variedades locais podem ser mais adequadas para o clima e solo locais, especialmente no Negev. Nosso estudo abre novos caminhos para restaurar e melhorar antigas variedades locais, para criar uvas mais adequadas para condições climáticas desafiadoras, como altas temperaturas e pouca chuva”, disse ela.



Fonte: Guiame


16/05/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
ORA BRASIL