NOTÍCIAS


Turnê de ‘drag queen’ em escolas para crianças provoca protestos no Reino Unido



A turnê “Hora das Histórias de Drag Queen” volta ao centro de polêmicas ao apresentar evento em escolas para crianças e adolescentes, desta vez no Reino Unido.

Sab Samuel, criador da personagem “Aida H. Dee”, disse em entrevista à BBC que “procura explicar emoções não heterossexuais aos jovens” e, para isso, busca acesso a escolas primárias e secundárias.

“Muitas crianças por aí não recebem um modelo LGBTQ+ porque é um tabu… Modelos são como oxigênio, se você não os tem, não consegue respirar e para as pessoas LGBTQ+, estamos morrendo”, justificou Samuel.

Protestos

Segundo informa o Life Site News, pessoas não gostam que uma drag queen se ofereça às crianças como modelo.

Durante o evento de Samuel na segunda-feira (25/07) em Reading, dois manifestantes invadiram o local, enquanto outros 25 manifestantes se reuniram na Abbey Square, do lado de fora da biblioteca. Havia uma forte presença policial, mas ninguém foi preso.

Um porta-voz do Conselho de Leitura condenou os manifestantes, afirmando: “É extremamente decepcionante que um pequeno grupo tenha tentado interromper o tempo da história. Este foi um evento com ingressos e todos os pais presentes estavam cientes da natureza da apresentação”.

O porta-voz afirmou ainda que a organização patrocinadora, Drag Queen Story Hour UK, é “um provedor de entretenimento infantil profissional bem estabelecido” e que “o conteúdo é divertido e apropriado para a idade”.

Perigo de abusos sexuais

Jon Uhler, um conselheiro profissional licenciado que trabalhou clinicamente com cerca de 4.000 predadores em série por mais de 11 anos, disse em entrevista ao ‘The Christian Post’ que acredita que os eventos Drag Queen Story Hour constituem “o maior programa já criado, envolvendo abusadores”.

Enquanto drag queens lendo histórias para crianças em bibliotecas públicas tem sido considerado “uma atividade inócua”, grupos comunitários e mães que resistem à ideia têm razão em se opor, acrescenta o conselheiro, porque predadores sexuais e infratores priorizam convencer as pessoas a duvidarem de seus instintos e pensar que alertas vermelhos “são um disparate”.

“A questão é: por que esses homens vestem roupas íntimas femininas e se fantasiam de drag queens, querendo maior acesso a crianças?”, Uhler perguntou.

Agenda cheia

Segundo Samuel, as sessões de drag que ele apresenta são direcionadas para idades de três a 11 anos, e há quase 70 eventos programados nas próximas semanas em todo o Reino Unido.

Muitos desses eventos receberão protestos por pessoas, observando que eles são inadequados.

Apesar de suas declarações anteriores sobre apresentar às crianças “emoções não heterossexuais”, Samuel insistiu que é “confuso” que “esses grupos estejam tentando criar um foco sexual aqui onde não existe, chamando a atenção para sexo e sexualidade”.

Os eventos da Drag Queen Story Hour tornaram-se um para-raios simbólico para os esforços contínuos do movimento LGBT para inculcar as crianças com seus valores, com grandes protestos desses eventos ocorrendo nos Estados Unidos por pais e outros que se opõem à sexualização infantil.

Esses eventos são projetados para apresentar as crianças ao movimento LGBT, normalizar a visão de mundo desse movimento e integrar a sociedade que o movimento LGBT deseja construir (e, em grande parte, construiu), diz o Life Site News.

A razão pela qual está atraindo manifestantes onde tantas outras iterações da colonização social em curso do movimento LGBT não o fizeram é o fato de ser direcionado a crianças pequenas. Para muitos pais que simplesmente ignoraram o debate sobre a redefinição do casamento e questões relacionadas, isso é simplesmente uma ponte longa demais, afirma Jonathon Van Maren, escritor e ativista pró-vida.



Fonte: Guiame


01/08/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO