NOTÍCIAS


“Sem a Igreja eu nunca teria ficado limpa”, testemunha ex-viciada em drogas



Melissa cresceu em um lar que ela classifica como “amoroso e com uma ótima infância, cheia de amigos e hobbies”. Mas isso não bastou para que ficasse protegida contra o bullying, que afetou sua vida de forma dramática.

“Quando eu estava no 7º ano, comecei a sofrer muito bullying, o que se transformou em automutilação. Aos 15 anos, eu bebia e fumava maconha. Uma noite eu estava em uma festa e fui estuprada. Não contei a ninguém porque me culpei. Usei substâncias para lidar com isso”, relata.

Após toda essa avalanche de situações que causaram grande trauma em Melissa, ela decidiu abandonar a escola. Ela estava com 17 anos e nessa mesma época conheceu um cara que a apresentou ao speed e ao ecstasy.

“Usávamos de vez em quando. Quando eu tinha 18 anos, meu melhor amigo morreu em um acidente de carro. Foi muito difícil. Não muito tempo depois que ele faleceu, eu engravidei”, diz.

Devido a gravidez Melissa parou de beber por um tempo, até dar à luz a um menino. Mas depois que ele nasceu, ela se envolveu com um grupo diferente e eles a apresentaram a outra substância.

“Comecei a usar nos fins de semana e depois entrei em um relacionamento que se transformou em violência doméstica. Meu uso de gelo aumentou para lidar com a dor”, diz.

Essa vida levava a frequentes investidas da polícia e a prisões por conta das drogas. “Naquela época, dei meu filho aos meus pais porque não podia mantê-lo seguro. Continuei no caminho da autodestruição, como meio de tirar a dor”.

Tráfico de drogas

Melissa diz que aquilo entorpeceu seus sentimentos, e passou a sentir ódio de si, culpa e depressão.

Aos 20 e poucos anos, a jovem foi acusada de tráfico de drogas. “Eu tive que ir para a prisão por um curto período. Depois que saí, continuei usando gelo e vendendo drogas… e voltei. Aconteceu algumas vezes em 2016. A última vez que fui presa, foi alguns dias antes do aniversário do meu filho. Eles não me deixaram vê-lo. Eu nunca tinha perdido seu aniversário antes. Foi o meu fundo do poço. Eu não podia vê-lo no dia que mais importava”.

O desespero de Melissa a fez tentar o suicídio. “Tentei me enforcar na guarita. Eu pensei que todos estariam melhor sem mim. Mas fui encontrada e levada para o hospital, onde me encaminharam para o Moonya, um programa de reabilitação de drogas administrado pelo Exército da Salvação. Cheguei lá em dezembro de 2016, completamente quebrada”.

“O Exército da Salvação me amou de volta à vida. Durante o meu tempo lá, percebi que algo tinha que mudar. Meu filho precisava de mim. Comecei a frequentar uma igreja do Exército da Salvação e fiz o curso Alpha”, lembra Melissa.

“Isso realmente abriu meu coração para um Deus amoroso e poderoso. Eu sabia que ele estava presente na minha vida. Ele já tinha feito coisas maravilhosas para me manter viva”.

Reabilitação

Melissa conta que durante o seu tempo na reabilitação, teve de ir à Suprema Corte por acusações de drogas. “Eu estava sete meses limpa até então. Mas eu estava preparada para ir para a prisão e esperava uma sentença de quatro anos”, explica.

“Foi muito intenso, sabendo que era meu último dia de liberdade. Mas no final da audiência, meu advogado inesperadamente pediu uma sentença mais curta e liberdade condicional imediata. O juiz concordou. Ele podia ver que eu estava tentando viver uma vida melhor e não era uma ameaça para a sociedade”, diz.

“Voltei para Moonyah e foi o começo de toda a minha nova vida. Foi mágico. As pessoas da igreja realmente se importavam comigo e quanto mais eu ia à igreja, mais eu construía relacionamentos”, conta.

“Sem o apoio deles, eu nunca teria ficado limpo. Eles salvaram minha vida. E comecei a orar todos os dias. Minha fé em Deus preencheu o vazio que governava minha existência. Cheguei a ver que Deus realmente nos salva, mesmo aqueles de nós que a sociedade considera indignos”.

Planos de Deus

Melissa diz agora está trabalhando em um lugar de reabilitação de drogas, apoiando e ajudando outras pessoas em sua jornada de recuperação. “Quero dizer que sempre é possível se recuperar, quando se tem amor e apoio”, afirma.

Ela revela que seu versículo favorito está em Jeremias 29:11, que diz “’Pois eu conheço os planos que tenho para vocês’, declara o Senhor, ‘planos de fazê-los prosperar e não de prejudicá-los, planos de lhes dar esperança e um futuro.’”

“Ler essa verdade sempre aquece meu coração. Sei que não estou trilhando esse caminho sozinha. Deus está comigo. E mesmo que meus planos não funcionem do jeito que eu quero, os planos de Deus são sempre bons”, entende.



Fonte: Guiame


05/10/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO