NOTÍCIAS


Prova viva: milagres de geração a geração



Ao relatar a grandeza da revelação judaica, Moshe (Moisés) nos diz algo único sobre nossa herança. Na verdade, é um detalhe poderoso que nos separa de qualquer outra civilização na face desta terra.

Ele diz: “Pois pergunte agora sobre os primeiros dias que precederam você, desde o dia em que Hashem criou o homem na terra, e de uma extremidade do céu à outra extremidade do céu: já houve algo semelhante a esta grande coisa, ou já foi ouvido algo parecido? Algum povo já ouviu a voz de D-us falando do meio do fogo, como você ouviu, e sobreviveu?” (Dt 4:34)

O que me parece estranho é a última parte do versículo as palavras “e sobreviveu”. Não é a grande alegação de que os judeus ouviram Hashem falar não por meio de um intermediário, mas diretamente a eles no Sinai?

Por que então Moshe acrescenta as palavras “e sobreviveu?” A nossa conversa direta com o Todo-Poderoso não é prova absoluta da inegável Divindade? E embora os comentários apontem que a sobrevivência após tal revelação é certamente milagrosa, a sobrevivência após a revelação certamente não soa tão poderosa quanto a própria revelação.

Moshe poderia ter dito muito bem: “Já houve algo parecido com essa grande coisa ou algo parecido foi ouvido? Algum povo já ouviu a voz de D-us falando do meio do fogo, como você ouviu?”

Isso por si só deve provar nossas qualidades únicas para qualquer cético. Obviamente, o adendo, “e sobreviveu!” acrescenta uma perspectiva judaica única.

O futuro funcionário entrou no escritório do presidente em busca de um emprego. Após uma extensa entrevista, foi oferecido ao bolsista um emprego com um salário decente.

“Existem benefícios para a saúde?”, ele perguntou.

“Não, meu jovem”, respondeu o presidente, “não oferecemos benefícios de saúde”.

“Ah”, retrucou o jovem, “no meu último emprego tínhamos um pacote médico e odontológico completo! Diga-me”, acrescentou ele, “há auxílio-doença?” “Desculpe filho”, respondeu o chefe, “nesta empresa, você só recebe pelos dias em que trabalha!”

“Bem”, protestou o ansioso aspirante a trabalhador, “no meu último emprego eles me deram duas semanas de auxílio-doença! Mas me diga”, ele perguntou, “há férias pagas?”

“Sinto muito”, o chefe respondeu mais uma vez, “não há férias pagas, mas você pode ter uma semana de folga em agosto sem pagar!”

“O quê?”, retorquiu o jovem atônito. “No meu último emprego, cada um de nós tinha um mês de férias remuneradas! Bem, há pelo menos bônus de fim de ano?”

“NÃO!”, o futuro chefe gritou, cansado das perguntas do jovem.

“Você nos dá um carro?”, o potencial empregado pergunta.

Mais uma vez, desta vez de forma bastante enfática, o chefe respondeu: “Não!” A essa altura, o presidente da empresa não deixou seu prospectivo continuar sua inquisição; em vez disso, ele fez uma pergunta simples.

“Eu não entendo”, disse ele. “Se seu último empregador lhe deu benefícios de saúde completos, licenças médicas, férias pagas, carros e bônus de fim de ano, por que você gostaria de mudar para esta empresa?”

O jovem deu de ombros. “Minha antiga empresa faliu duas semanas depois de começar!”

Moshe Rabeinu faz a Congregação de Israel a pergunta de 4.000 anos. Enquanto muitas nações contam histórias sobre grandes milagres que ocorreram aos fundadores, nunca há uma raça inteira que possa dizer “meus avôs e avós testemunharam os milagres!”

O judaísmo é a única religião que orgulhosamente declara que 600.000 homens adultos, e um número igual ou maior de mulheres e crianças, estiveram no Monte Sinai e viram D-us falar diretamente com eles. Eles transmitiram essa grande visão a seus filhos, e seus filhos a seus filhos, até o dia de hoje. “Não é uma fábula esotérica”, diz Moshe, “Eles viveram!” A visão do Sinai não é história antiga. A visão está viva!

Outros contam histórias de eventos milagrosos testemunhados por um punhado de discípulos que não deixaram descendentes. Maimônides traça a história desde o pé do Sinai até os escabelos do Talmud!

Assim, Moshe declara ao seu povo uma mensagem tão relevante para nós quanto foi para eles no árido deserto há cerca de 3.312 anos.

Não há nação na face desta terra que afirme ter experimentado multidões de milagres ocorridos a massas de pessoas – todas as quais viveram para passar a revelação aos ouvidos de seus filhos.

Sim, em outras culturas, pode haver histórias de alguns eventos milagrosos atribuídos a algumas pessoas. Mas quando você procura as raízes e os protagonistas originais, você não vai descobrir que eles faliram.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leio a artigo anterior: A oportunidade da sua vida



Fonte: Guiame


16/08/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO