NOTÍCIAS


Professora cristã perde o emprego após não seguir política trans: “Fiz uma escolha”



Jessica Tapias, uma professora do Distrito Escolar de Jurupa Unified, na Califórnia, disse que foi demitida depois de se recusar a cumprir as diretrizes do distrito de ocultar a transição de gênero dos alunos aos pais.

A professora decidiu não mentir para os pais sobre a transição de gênero dos alunos, baseada em seus princípios cristãos.

“Eu soube imediatamente que havia uma decisão que eu tinha que tomar. Vou obedecer ao distrito na proposta que não está alinhada com minhas crenças, convicções e fé? Ou vou permanecer fiel e obediente à maneira como o Senhor me chamou para viver?”, disse Jessica.

Segundo a Fox News Digital, o distrito encaminhou um aviso à professora que dizia: “Consequentemente, o distrito a liberará de seu emprego a partir do final do dia 31 de janeiro de 2023. O distrito não pode acomodar suas crenças religiosas que proíbem você de revelar a identidade de gênero de um aluno a seus pais/responsáveis”.

Jessica explica: “De acordo com o distrito escolar, os alunos têm privacidade. Portanto, se um aluno compartilhar com o professor informações sobre uma preferência de pronome ou desejar se identificar pelo sexo oposto ao que eles são biologicamente, estamos proibidos de alertar os pais, caso eles não saibam”.

“E há tantos problemas com isso. Como sabemos que os pais não estão cientes? Estamos falando de crianças com 12, 13, 14, 15 anos de idade. Eles devem ter essa privacidade sobre algumas informações muito pertinentes de seu bem-estar?”, acrescentou a professora.

Outras medidas adotadas pela professora

Jessica é professora de educação física e, em suas aulas, também recusou a entrada de meninos no banheiro feminino, contrariando mais uma vez a política distrital . 

“Eu não acredito que o Senhor está nos chamando para amar, afirmando essas mentiras e confusão. Acredito firmemente que Deus criou o homem e a mulher, e você é quem Ele o fez para ser. E quando alguém fica confuso sobre isso, acredito que seja mentira e confusão do diabo”, declarou ela.

Jessica começou a ensinar porque adorava a ideia de ajudar e apoiar crianças.

“O maior motivo foi causar impacto! Eu pensei como seria incrível ser uma luz para crianças possivelmente vindo de lares muito difíceis, como eu quando era criança. E então foi tão emocionante começar a trabalhar em um campo onde era muito além de um contracheque, onde eu seria capaz de fazer a diferença de uma forma que não tem preço na vida dos jovens”, explicou a professora.

Ela acrescentou: A infância é um momento muito moldável na vida quando o cérebro está se desenvolvendo e é tão importante que você tenha boas pessoas para admirar, bons modelos em sua vida, bom ensino”.

De acordo com a Fox News Digital, o distrito negou que tenha discriminado Jessica com base em suas crenças religiosas e não respondeu diretamente à denúncia da professora sobre a omissão de informação aos pais dos alunos.

Jessica afirmou que contratou um advogado para processar o distrito: “Estamos aguardando o direito de processar a carta da Comissão de Oportunidades Iguais de Emprego dos EUA e, então, prosseguiremos a partir daí”.



Fonte: Guiame


15/02/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
ESTAÇÃO DO LOUVOR