NOTÍCIAS


Policiais interrompem funeral de cristãos na China



Enquanto o funeral de Shu Chunliang estava sendo preparado pelo seu filho, Shu Qiong, que é membro da Igreja “Early Rain Covenant”, na China, policiais chegaram e também impediram muitos convidados de participar. 

A funerária fica no subúrbio de Chengdu, que é a capital da província de Sichuan, local que sofreu com um terremoto recente e onde os cristãos de igrejas não registradas foram impedidos até de ajudar nos resgates.    

Na ocasião do funeral, as casas de muitos cristãos da igreja foram vigiadas e bloqueadas para que não pudessem sair para assistir ao culto fúnebre. 

De acordo com o ChinaAid, as autoridades estão utilizando os “alarmes eletromagnéticos” que foram instalados durante a pandemia por Covid-19, para manter as pessoas em suas casas. Os alarmes foram projetados de tal forma que, se as portas de uma casa forem abertas, o alarme soa e a polícia é acionada. 

‘Deus usou o funeral para espalhar boas novas para a polícia’

Shu Qiong disse ao seu grupo no WeChat: “A polícia de Chengdu estava muito preocupada com o funeral do meu pai. Mas agradecemos ao Senhor. Pode não ter parecido bom aos olhos do homem, mas Deus é bom e Ele usou o funeral do meu pai para espalhar Suas boas novas para a polícia e outros incrédulos”.

“Eles não podem nos impedir de pregar ao mundo as boas novas do vindouro Reino dos Céus. Obrigado e louvado seja o Senhor!”, escreveu também. 

Shu Chunliang estava com câncer de pulmão já avançado e ficou um tempo hospitalizado antes de sua morte. Ele estava extremamente fraco. Durante o período de pandemia, o governo de Chengdu adotou um nível de controle extremamente alto. 

Quando recebeu o diagnóstico, em 3 de maio, Chunliang buscou o Evangelho e se converteu a Cristo. No dia 12 de junho ele foi batizado, se mostrando totalmente confiante no Reino de Deus. 

Impedidos de participar de um funeral cristão

O pastor Dai Zhichao compartilhou sobre suas dificuldades de sair de casa no dia do funeral, que aconteceu no dia 21 de setembro. Ao acordar pela manhã, percebeu que havia dois desconhecidos em seu portão. 

Ele disse que orou pedindo a Deus para abrir uma saída. Depois de algumas horas, quatro policiais ainda chegaram, avisando-o para não sair de casa. 

O pastor, porém, conseguiu sair de casa às 12h30, mesmo com todos os contratempos. Os policiais haviam furado os pneus de seu carro e de sua bicicleta, mas ele foi de bicicleta mesmo assim. Nenhum policial estava em seu portão no momento da saída. 

Dai contou que, certa vez, ele viu um carro de patrulha em frente ao seu portão e muitos guardas, mas parecia que Deus havia impedido a visão de todos eles, por alguns instantes, e ninguém o viu sair. Na ocasião, ele chamou um táxi e foi embora. 

Vigilância total

Shu Chunliang explicou que a equipe de prevenção de epidemias comparecia às casas, diariamente, para realização de testes de ácido nucleico em todos os membros da família, incluindo bebês. 

A condição do pai de Shu Qiong piorou e ninguém podia visitá-lo por conta dos regulamentos. Por esse motivo, não houve despedidas. Após sua morte, Shu Qiong postou um vídeo em sua página no WeChat, criticando as rígidas medidas de prevenção e controle do governo. 

Ele conta que, por causa de sua manifestação, ele foi hostilizado pela comunidade no WeChat. Além disso, um grupo de funcionários de rua se organizou para ridicularizar e fazer ameaças com gestos obscenos e palavras inadequadas. 

“Estou satisfeito com o amor de Cristo”

Ao ser expulso do WeChat, com xingamentos e palavrões, Shu Qiong escreveu: “Não responderei aos seus insultos com a mesma violência verbal. Mas, em vez disso, posso suportar essa irracionalidade, porque sei que também sou um pecador”. 

“Eu costumava atacar os outros como vocês me atacam. Mas agora que meu Senhor Jesus me salvou, sei que Ele me ama e morreu por mim. Portanto, estou tão satisfeito com o amor de Cristo que posso suportar isso. E ainda posso falar das boas novas: Creiam em Jesus e vocês terão vida eterna! Arrependam-se e não pereçam!”, continuou. 

“Eles estão perseguindo a Cristo”

O pastor Dai enfatizou que estas são experiências e histórias reais, da presença de Deus: “Eu experimentei o Deus de Betel. E não é apenas uma experiência para minha família, mas uma experiência compartilhada”. 

Sobre a situação de perseguição na China, ele disse: “Eles não estão perseguindo minha família, estão perseguindo a Igreja; eles estão perseguindo a Cristo. Cada vez que sirvo a Deus, embora estejamos vivendo uma grande batalha, sei que Ele é o meu Deus. Ele é o Senhor que me protege e me guia em todos os sentidos”.

“Que o Senhor seja nosso escudo e nos dê armas de luz. Por favor, continuem orando por nossas famílias. Apesar das circunstâncias terríveis, acredito que a palavra de Deus durará para sempre. Que o Senhor guie a cada um de nós e a Igreja. Oro para que o Senhor tenha misericórdia de Chengdu e tenha misericórdia deste país”, destacou. 

“A China de hoje está cheia de pessoas desesperadas que não conhecem o Deus de Betel. Eles ainda não encontraram Jesus Cristo e nem experimentaram Sua glória”, concluiu. 



Fonte: Guiame


29/09/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO