NOTÍCIAS


Policiais cristãos podem ser expulsos por supostos ‘crimes de ódio’, na Califórnia



Leis recentes, assinadas pelo governador da Califórnia, Gavin Newsom, traz uma série de regras que podem expulsar policiais cristãos de seus trabalhos e impedir que candidatos se tornem agentes da lei, alertam observadores.

Os críticos dizem que as novas leis criarão um “teste de pureza ideológica”, impedindo que alguns conservadores e cristãos se juntem às forças policiais já sobrecarregadas.

As novas regras promulgadas por Newsom são a AB 2229 e o projeto de lei complementar AB 2547.

A primeira exige que todos os candidatos à polícia do estado passem por avaliação psicológica para determinar “preconceito” com base na orientação sexual ou gênero.

A segunda exigiria que os departamentos de polícia revisassem os perfis de mídia social dos candidatos em busca de “potenciais vieses, como afiliação a grupos de ódio”.

Brigitte Gabriel, ativista libanesa-americana e fundadora do SPLC ACT for America, adverte contra a ameaça do islamismo político. Ela alertou que a AB 2229 “se tornará um teste de pureza ideológica, impedindo que conservadores e cristãos sejam elegíveis para o serviço como oficiais de paz devido à sua crença em questões como sexualidade no casamento ou gênero”.

‘Grupos de ódio’

Em 30 de setembro, Newsom assinou a AB 665, que proíbe candidatos à polícia que tenham sido afiliados aos chamados “grupos de ódio” nos últimos sete anos.

Embora a AB 655 use uma definição estrita para o termo “grupo de ódio” vinculado diretamente a “genocídio”, os críticos observam que a nova lei também exige que as agências investiguem “uma denúncia feita pelo público que alega, conforme especificado, que um oficial de paz [que desempenham funções policiais] envolvido como membro de um grupo de ódio, participação em qualquer atividade de grupo de ódio ou defesa de expressões públicas de ódio”.

Um relatório do Daily Signal da Heritage Foundation afirma que a Califórnia e outros estados têm um “interesse legítimo de segurança pública em identificar a afiliação de grupos de ódio”. Mas cada vez mais, a definição do termo tem sido aplicada a organizações cristãs que defendem uma visão bíblica da sexualidade.

“O Southern Poverty Law Center … classificou as principais organizações conservadoras e cristãs como ‘grupos de ódio’ e as colocou em uma lista com os gostos da Ku Klux Klan, muitas vezes por razões que equivalem a discordância ideológica”, observou o Daily Signal da Heritage Foundation. Essas organizações cristãs incluem o Family Research Council e o Pacific Justice Institute na Califórnia.

Ferramenta esquerdista

Em entrevista ao ao The Daily Signal, o advogado sênior do Pacific Justice Institute, Matt McReynolds, observou que os policiais estão fugindo do chamado ‘Golden State’.

“AB 2229”, argumentou ele, “só irá exacerbar essa crise ao expor todos, exceto os oficiais ideologicamente mais puros, à disciplina, demissão ou rejeição por suposto preconceito”.

“É a ferramenta esquerdista perfeita para cancelar oficiais de segurança pública mais decentes, corajosos e trabalhadores”, acrescentou. “Na Califórnia, a cultura do cancelamento está chegando para nossos policiais.”

Gênero e orientação sexual

Segundo a Decision Magazine, em 2021 o governador da Califórnia começou a exigir que a Comissão Estadual de Padrões e Treinamento de Oficiais de Paz avaliasse todos os candidatos policiais por “preconceito implícito” com base em gênero e orientação sexual.

Newsom também assinou o SB 2, que revoga o distintivo de policial se o policial exibir tal preconceito. O SB 2 proibiria tais oficiais de servir na Califórnia novamente.

Ben Johnson, do Family Research Council, declarou que “excluir qualquer pessoa que demonstre até mesmo o mais imperceptível ‘preconceito’ contra demonstrações de inconformidade de gênero ou atividade homossexual poderia excluir os candidatos mais qualificados, que também seguem conceitos judaico-cristãos como a Regra de Ouro.”

Em uma carta aos senadores estaduais, McReynolds escreveu: “A última coisa que a Califórnia precisa é levar oficiais de paz ainda mais qualificados para estados com impostos mais baixos, custos de vida mais baixos e mais liberdade e mais respeito pelos homens e mulheres de uniforme. Seus eleitores precisam urgentemente ser protegidos de crimes fora de controle neste Estado. Eles não precisam ser protegidos de postagens politicamente incorretas no Facebook.”

De acordo com o Daily Signal, chefes de polícia em cidades como São Francisco e Sacramento relataram perder oficiais para aposentadoria e demissão mais rápido do que eles podem ser substituídos.

Justificativas

Daniel Villasenior, porta-voz do governador da Califórnia, enviou um comunicado ao The Daily Signal com explicações sobre as novas regras:

“O estatuto é claro – apenas oficiais envolvidos ativamente em grupos de ódio ou que expressam preconceito contra pessoas de uma determinada raça ou etnia, gênero, nacionalidade, religião, deficiência ou orientação sexual seriam impactados”, disse Villasenior.

“Essas leis são projetadas para tornar todos mais seguros e garantir que não estamos empregando oficiais que apoiam ou defendem o genocídio ou a prática de crimes de ódio. Se alguém está preocupado sobre como essas leis irão afetá-los, eles precisam se olhar no espelho.”



Fonte: Guiame


09/11/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO