NOTÍCIAS


Polícia diz que orações de mulher perto de clínica de aborto são “assédio”



Uma mulher na Inglaterra foi impedida de orar silenciosamente em um espaço público, com policiais afirmando que suas orações poderiam causar “intimidação, assédio ou angústia”.

Mesmo estando fora da “zona de tampão”, onde orações e aconselhamento próximo a clínicas de aborto são proibidas por lei, Livia Tossici-Bolt e sua amiga foram abordadas por dois “Oficiais Credenciados de Segurança Comunitária”, que monitoram a zona, na cidade de Bournemouth.

Os policiais solicitaram que as mulheres saíssem do local, reclamaram que estavam muito perto da chamada “zona de censura” e disseram que as orações eram intimidação e assédio.

“Todo mundo tem a liberdade de orar silenciosamente em um local público. Eu nunca sonharia em fazer algo que causasse intimidação e assédio. Cumprimos as novas regras instituídas pelo conselho e não rezamos dentro da zona de censura”, comentou Livia.

“Mesmo assim, esses patrulheiros tentaram nos intimidar e impedir que exercêssemos nossa liberdade de pensamento e expressão – na forma de oração – que tem sido parte fundamental de nossa sociedade por gerações”.

Os oficiais também levantaram preocupações sobre a proximidade das mulheres de uma escola local. Um deles alegou que as crianças poderiam fazer perguntas e Livia respondeu: “Não há nada de errado em fazer perguntas”.

Depois do episódio, Tossici-Bolt apresentou uma queixa contra as autoridades por violar seu direito de orar em um espaço público, como apoio da ADF Internacional.

“O princípio das chamadas “zonas tampão” corrói os princípios básicos da democracia – ou seja, neste país, podemos ter diferentes pontos de vista e crenças”, declarou Lois McLatchie, oficial de comunicações da ADF UK. 

“Estamos firmemente contra o assédio de mulheres. As forças policiais e as autoridades locais já possuem uma vasta legislação para prevenir e penalizar o assédio de mulheres em qualquer circunstância, muito menos perto de um centro de aborto. Novas ‘zonas de censura’ vão muito além do que é justo ou necessário – reprimindo as liberdades civis que permitem aos voluntários oferecer ajuda genuína, ou mesmo apenas orar, em um espaço público”.

“Zonas de censura” em discussão no Parlamento

O caso acontece enquanto o parlamento discute a implantação nacional de “zonas tampão”, como as de Bournemouth. A lei em debate proíbe “informar”, “aconselhar”, “influenciar”, “persuadir” e até “expressar uma opinião” do lado de fora de clínicas de aborto. 

A legislação levantou preocupações com censura e liberdade de expressão e foi criticada por membros da Câmara dos Lordes, como o liberal-democrata Peer Lord Beith, que chamou a nova política de “restrição mais profunda à liberdade de expressão que já vi em qualquer legislação do Reino Unido”.

 



Fonte: Guiame


28/11/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO