NOTÍCIAS


Papiro raro com ‘carta para Ismael’ é descoberto e enviado a Israel


Desde a descoberta dos manuscritos do Mar Morto, arqueólogos e aventureiros buscam outros objetos e elementos semelhantes por todo o deserto da Judeia.

Com essa missão, recentemente foi encontrada uma carta de papiro da era do Primeiro Templo que levou o chefe da Unidade de Prevenção de Furtos da Autoridade de Antiguidades de Israel (IAA, sigla em inglês) a um local improvável, em Montana, nos EUA.

A caça ao tesouro terminou no início deste ano, após Eitan Klein, da IAA, localizar o proprietário do papiro extremamente raro, que estava no apelidado “Estado do Tesouro”.

O fragmento de 4 centímetros de altura e 5 centímetros de largura une dois outros fragmentos de papiro contemporâneos conhecidos com inscrição em hebraico primitivo na Terra de Israel até hoje. Ela é composta por quatro linhas fragmentadas, a primeira das quais começa com o seguinte texto: “Para Ismael, envie…”. E depois para.

Reino de Judá

Segundo a análise epigráfica, a datação por carbono de um pequeno pedaço do papiro é do final do século VII ou início do sexto a.C., os últimos dias do Reino de Judá.

A busca pelo “Papiro de Ismael”, recentemente repatriado, começou após a morte da principal epigrafista, Dra. Ada Yardeni, em junho de 2018. Seu colega, o professor Shmuel Ahituv, vencedor do Prêmio Israel da Universidade Ben-Gurion, foi convidado a completar o projeto final de Yardeni – um livro sobre escritas hebraicas do período do Primeiro Templo.

Ao examinar os papéis, Ahituv notou a imagem de um papiro desconhecido, sem rótulo e sem local de proveniência. Ele alertou Klein de sua existência.

Em entrevista ao The Times of Israel na quarta-feira, Klein disse que depois de receber a ligação de Ahituv, animado com a perspectiva de um terceiro raro papiro do período do Primeiro Templo, ele partiu imediatamente para falar com uma das filhas de Yardeni.

Missão cristã

Elas examinaram seus registros e vasculhando seu computador e e-mail, eventualmente localizando o papiro em um anexo de um e-mail do professor Bruce Zuckerman, da Universidade do Sul da Califórnia.

Zuckerman localizou o filho do proprietário original do fragmento de papiro. Eles descobriram que o fragmento foi comprado ou dado à mãe da moradora de Montana quando ela visitou Israel em 1965 como parte de uma missão cristã dos Estados Unidos.

Fragmento de papiro sendo analisado. (Captura de tela/Autoridade de Antiguidades de Israel)

A missão participou de escavações ao redor de Qumran e conheceu pessoas-chave envolvidas com os Manuscritos do Mar Morto, incluindo Halil Iskander Kandu, um proeminente negociante de pergaminhos de Belém, e Joseph Sa’ad, curador do Museu Rockefeller.

Klein contou que a mulher colou o fragmento de papiro em um pedaço de papelão junto com outras lembranças de sua visita a Kandu e Sa’ad. Ela os emoldurou e o papiro ficou pendurado na parede da casa de Montana até recentemente.

O filho da detentora do fragmento, que deseja manter o anonimato, foi convencido a ir a Israel – com o papiro – por uma semana como convidado especial do IAA.

Após conhecer as metodologias de conservação de última geração disponíveis para o Laboratório de Conservação do Departamento de Pergaminhos do Deserto da Judéia do IAA em Jerusalém, o filho estava convencido de que lá era o local adequado para o papiro.

Segundo Klein, o filho estava ciente do alto valor do fragmento do pergaminho, mas baseou-se em seu desejo de homenagear sua mãe, bem como seus próprios valores cristãos, para doar o papiro ao Estado de Israel.

O que está no papiro?

“O nome Ismael mencionado no documento era um nome comum no período bíblico, significando ‘Deus ouvirá’”, explica Ahituv.

O mais conhecido Ismael foi o filho de Abraão e Agar, mas foi usado, disse Ahituv, como um nome pessoal em outras partes da Bíblia. O nome também aparece gravado em bullae, selos de argila usados ​​para correspondência.

“O roteiro é claramente hebraico do final do século 7, início do século 6 aC”, disse Ahituv em um vídeo em hebraico da IAA.

É uma mensagem para alguém chamado Ismael, disse ele, e aparentemente lista itens para enviar e não enviar.

“É uma simples carta com uma ordem. Disseram-lhe: ‘Não envie’. O que não enviar? Não sei. E ‘de nenhuma ajuda’ é escrito mais tarde. O que não ajuda?! Não sabemos”, disse Ahituv.

Eles acreditam que a carta foi escrita às pressas, disse Ahituv, pelas letras descuidadas. “Ele escreve como nós escrevemos. Ele mergulha sua caneta em tinta e escreve.”

Deserto da Judeia

É quase impossível imaginar encontrar materiais orgânicos preservados de 2.700 anos atrás, mas as condições secas das cavernas no deserto da Judeia são especialmente adaptadas à conservação.

Existem atualmente cerca de 25.000 fragmentos de Manuscritos do Mar Morto no laboratório dedicado a esses materiais, pedaços de cerca de 1.000 manuscritos. A grande maioria data do período do Segundo Templo, por volta de 70 EC em diante.

“Os Manuscritos do Mar Morto incluem quaisquer documentos do Deserto da Judeia de qualquer ponto no tempo”, disse Uziel. “Então, se antes tínhamos 1.000 manuscritos diferentes dos Manuscritos do Mar Morto, agora temos 1.001.”

O professor Shmuel Ahituv dará uma palestra em língua hebraica sobre o papiro na Primeira Conferência do Deserto da Judeia no Museu das Terras Bíblicas em Jerusalém na quinta-feira, 15 de setembro. A conferência é aberta ao público gratuitamente.



Fonte: Guiame


12/09/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO