NOTÍCIAS


Pai e filho são esfaqueados em onda de ataques a cristãos no Egito



Uma onda de ataques a cristãos no Egito — um dos primeiros e mais importantes centros do cristianismo, antes da ampla islamização — tem deixado muitos mortos e feridos. 

No dia 28 de julho, Joseph Israel, de 70 anos, estava sentado do lado de fora da loja que ele e o filho administram em Gizé. Segundo a Portas Abertas, um homem se aproximou e o esfaqueou repetidamente

O filho, Emil, correu para socorrer o pai, mas foi esfaqueado também. Pai e filho foram levados às pressas para o hospital com ferimentos graves. Ahmad Mohamed Salah, de 43 anos, responsável pelo ataque, foi preso no mesmo dia. 

Crimes premeditados

Pai e filho já receberam alta e estão se recuperando em casa, mas Joseph ainda sente muita dor. “Ele levou mais de 30 pontos por causa das facadas no pescoço”, disse Emil.

A loja dos cristãos fica em uma rua movimentada e não é bem aceita por alguns vizinhos muçulmanos. Há pouco tempo, a loja foi invadida e saqueada e, no ataque recente, Emil reconheceu o homem que o esfaqueou, pois já o tinha visto circulando na região. 

Emil conta que estava dentro da loja quando viu o criminoso esfaqueando o pai: “Quando corri para tentar parar o ataque, Ahmad começou a me esfaquear também”. 

Vizinhos cristãos e muçulmanos se juntaram e entregaram Ahmad à polícia. Ele foi detido e deve aguardar o julgamento na prisão, enquanto as investigações continuam. 

De acorco com testemunhas, Ahmad faz parte do movimento extremista islâmico Islamist Muslim Brotherhhod (Irmandade Muçulmana), que busca atacar cristãos comerciantes e prejudicar seus negócios. 

“Alegou doença mental”

A família de Ahmad alegou que ele tem uma “doença mental”. Essa tem sido uma estratégia bem conhecida de defesa entre os muçulmanos criminosos

Quando a justiça “comprova” as alegações médicas fornecidas pelos muçulmanos que atacam cristãos, o resultado é uma sentença bem mais branda. 

Alegar “problemas psicológicos” acabou se tornando um álibi para os extremistas egípcios, sempre que são acusados de agredir cristãos. Além disso, a mídia local é advertida a “não veicular esse tipo de crime como religioso”. 

Em nome da “Jihad”

O ataque a Joseph e Emil foi o mais recente de muitos outros ataques a cristãos no Egito, neste ano. Em fevereiro, um líder cristão foi morto diante dos jovens que discipulava durante uma excursão do grupo à praia. 

No mesmo mês, o jovem diácono de uma igreja em Alexandria, Magdy Awad Allah, foi esfaqueado sete vezes pelo próprio vizinho. Ele foi levado ao hospital e sobreviveu, mas ficou muito traumatizado. 

Em abril, o cristão Rani Ra’fat foi morto na entrada do trabalho e, em junho o cristão Megali também foi atacado enquanto voltava para casa em sua motocicleta. Ele foi empurrado, esfaqueado e morreu após sofrer ferimentos graves. 

A cristã Mona, de 35 anos, foi atacada na área rural do Egito por um extremista islâmico com uma foice, mas sobreviveu.  

Esses são apenas alguns casos conhecidos e divulgados, mas há muitos outros. Parece que a hostilidade dos extremistas islâmicos contra os cristãos só aumenta. 

Em todos os casos citados, observou-se mensagens à sociedade, da parte de líderes e grupos extremistas que incentivam a jihad (luta islâmica contra a influência do Ocidente).

Eles querem impor a sharia (conjunto de leis islâmicas) e possuem o objetivo de dominar e impor suas próprias regras. 

Embora os casos de ataques a cristãos sejam julgados, a maioria fica sem uma resposta adequada e justa. O governo chega a organizar sessões de reconciliação entre vítimas e agressores, mas na prática isso só abranda as sentenças dos perseguidores que, ao sair da prisão, voltam a atacar e a matar cristãos no Egito. 



Fonte: Guiame


16/08/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO