NOTÍCIAS


'Nós cantávamos mais alto que o bombardeio', dizem cristãos confinados 51 dias em Mariupol


O pesadelo da guerra na Ucrânia é testemunhado por membros da Igreja de Cristo de Mariupol, que relembram os 51 dias que ficaram amontoados em um corredor enquanto bombas reduziam sua cidade a escombros.

Ao som dos bombardeios eles pediam ao pastor Alexander Chekalenko – Sasha – que clamasse ao Senhor por proteção: “Continue orando, Sasha!” Mas quando ele parava, o que se ouvia eram tiros e explosões.

Para “anular” o barulho assustador da guerra, Sasha continuava orando. Ou lendo o Salmo 23: “Ainda que eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei mal algum, porque tu estás comigo”. Assim, as crianças também memorizaram o texto.

O terror sobre os membros da igreja foi o vale mais escuro que eles passaram durante quase dois meses, em Mariupol, a cidade portuária ucraniana destruída pelas forças da Rússia e da República Popular separatista de Donetsk.

Segundo autoridades ucranianas, pelo menos 21.000 civis morreram e 95% da cidade foi destruída.

“À noite você ouvia os aviões – a noite toda, todas as noites”, disse Zhenya Kapsha, que se abrigou no prédio da igreja com sua esposa, Olya, e dois de seus filhos. “O prédio inteiro tremeria”.

“Quando esses bombardeios realmente altos aconteciam, a gente sentava no corredor do prédio. Cantávamos mais alto que o bombardeio.”

Com idades entre 9 meses e 70 anos, cerca de 33 pessoas se abrigaram no local de encontro da igreja, a poucos quilômetros da siderúrgica Azovstal, onde o cerco de três meses terminou em 20 de maio, quando os russos capturaram a cidade.

Ajuda missionária

Alguns quilômetros a noroeste de Mariupol, meia dúzia de membros da igreja – agora refugiados – se reuniram em torno de uma mesa na cozinha de um apartamento anexo à Igreja de Cristo de Sopot. A congregação polonesa está abrigando mais de 50 refugiados em suas instalações, a uma curta caminhada do Mar Báltico.

Em uma entrevista ao The Christian Chronicle, os ucranianos do leste falavam em sua língua nativa, o russo, sobre sua provação de sete semanas e o longo êxodo que se seguiu.

Brandon Price, um ex-missionário em cidades ucranianas, incluindo Mariupol era o intéprete. Agora diretor do Instituto Bíblico Ucraniano em Kiev, ele se mudou com sua família para Sopot no dia em que a guerra começou e ajuda a coordenar as evacuações de cristãos ucranianos.

Ao longo da entrevista, Price parou de traduzir para abraçar os cristãos de Mariupol quando eles entraram na cozinha. Por mais de um mês, o missionário não sabia se eles ainda estavam vivos. Price e seus companheiros refugiados – além de uma série de cristãos em toda a Europa e nos EUA conectados através das mídias sociais – oraram fervorosamente por sua segurança.

“Foi isso que nos sustentou”, disse Olya Kapsha. “É por isso que estamos aqui.”

Uma rotina de pesadelo

Olya conta que estava trabalhando em 24 de fevereiro quando sua filha adolescente ligou para ela para dizer que o bombardeio havia começado e estava muito perto.

A mulher diz que se pensou em levar a família para o prédio da igreja, que ficava perto do mar – e aos navios russos. Mas as opções eram limitadas.

Em 27 de fevereiro, a congregação teve seu culto normal de domingo. Depois, dois membros pediram ao ministro Alexander Piletsky uma carona até o centro da cidade, já que os táxis não estavam mais indo para lá. A rota os levou até a siderúrgica Azovstal, onde foram atacados.

Piletsky foi atingido na cabeça – por uma bala ou estilhaço – e passou vários dias no hospital. Após se recuperar em seu apartamento, os membros da igreja o levaram de volta ao prédio. Um dia depois, seu apartamento foi destruído.

Eles relatam que havia um padrão de pesadelo. Os dias começavam às 6h40 com músicas russas tocadas em alto-falantes. As tropas ucranianas muitas vezes respondiam com tiros. Em seguida, havia um anúncio estridente: “As forças da Rússia e da República Popular de Donetsk exigem que você desista”.

Após instruções sobre como se render, seguiram-se cinco minutos de silêncio. Então o bombardeio assustador recomeçava. “Sempre havia cheiro de fumaça”, disse Zhenya. “Tudo era preto. Tudo estava queimando.”

Elas passavam por diversas privações, como escassez de água e de comida, além de falta de comunicação.

“Não podíamos nos lavar. Não podíamos fazer a barba. Não podíamos dar descarga no vaso sanitário”, disse Zhenya. “É a vida do seu filho ou escovar os dentes.”

Eles contam que pegavam toda a comida que pudessem antes de deixar seus apartamentos. Aleksei Kalchuk, um dos pastores da igreja, fez fogueiras do lado de fora para cozinhar. Muitas vezes, ele entrava e saía por uma janela para evitar tiros no lado oposto do prédio.

Orações e sepulturas

Os militares da autodeclarada República Popular de Donetsk, tomada por separatistas pró-Rússia em 2014, assumiram o controle da área ao redor do prédio da igreja.

A luta perto do prédio da igreja tornou-se menos intensa. Mas o perigo permaneceu. Em três ocasiões, soldados de Donetsk foram ao prédio. Eles quebraram janelas e exigiram que as mulheres e as crianças fossem embora. Eles também tentaram apreender os carros no estacionamento da igreja.

Os membros da igreja oravam em silêncio. Então “nós dissemos a eles: ‘Não. Temos filhos. Temos idosos. Nós vamos sair em algum momento’”, disse Olya. “Então eles não levaram nossos carros.

“Não fomos a lugar nenhum ou fizemos nada sem oração”, acrescentou. Antes de se aventurar em busca de suprimentos, os cristãos pediram a Deus que lhes desse segurança. Então eles abriram a porta. Se ouvissem tiros, eles decidiram que “Deus disse não desta vez”.

Quando puderam sair, os membros da igreja viram os efeitos do cerco de três meses. As estradas eram intransitáveis. Os prédios estavam irreconhecíveis. E os corpos estavam por toda parte.

“As pessoas estavam cavando sepulturas ao lado da estrada”, disse Sasha. Ao lado de um buraco enorme, alguém escreveu: “58 pessoas estão enterradas aqui”.

“E havia tantos desses buracos”, disse Olya.

Certa vez, os membros da igreja passaram por um homem cavando uma cova que era muito curta para um adulto. Perguntaram-lhe se era para uma criança. Não, disse o coveiro. Era para um homem. Os estilhaços o cortaram ao meio.

Bombas e estudos bíblicos

Os cristãos relatam que experimentaram pequenos atos de bondade fora dos muros de sua igreja. O dono de uma loja de bebidas deu a eles os poucos doces e biscoitos que ele tinha em sua loja para seus filhos.

Alguns dos soldados russos que encontraram eram da Chechênia, uma república predominantemente muçulmana que sofreu anos de bombardeio na década de 1990, quando os rebeldes tentaram se separar da Rússia. Os chechenos deram aos cristãos pequenas de água e lhes disseram que ruas deveriam evitar.

De volta ao prédio, os membros da igreja tinham aulas bíblicas matinais. Um dos pregadores disse que eles estavam lendo o Evangelho de Marcos.

“Marcos tem 16 capítulos. Não quero ficar aqui por 16 dias!”, pensou Olya na hora. “Nós estudamos Marcos. Estudamos 10 capítulos de Apocalipse, e ainda não tínhamos ido a lugar nenhum. Estudamos 31 capítulos de Provérbios. Estudamos Isaías, Eclesiastes.”

Dia após dia, Sasha ficava no auditório e lia as Escrituras em voz alta. Aleksei e outros membros da igreja prepararam refeições simples com o pouco que tinham. Muitas vezes, quando se reuniam para comer, tiros os obrigavam a voltar para o corredor. Era uma tortura, disse Aleksei.

Eles continuaram lendo, orando e cantando o mais alto que podiam enquanto os ruídos da batalha se intensificavam.

“Foi assim que vivemos por 51 dias”, disse Olya.

Uma jornada para a segurança — pela Rússia

No dia 51, funcionários de uma maternidade próxima, que fornecia fraldas e alguns outros itens essenciais aos membros da igreja, disseram que estavam saindo. Então soldados chegaram ao prédio e disseram que a área estava sendo “liquidada”. Eles tiveram que sair.

Alguns dos membros deixaram o prédio. Outros decidiram ficar em Mariupol.

Vinte e um ainda estavam no prédio da igreja. Eles entraram em quatro carros e seguiram para o leste até a cidade de Donetsk. De lá, eles entraram na Rússia e fizeram a longa viagem de Rostov-on-Don ao norte até São Petersburgo. Membros das Igrejas de Cristo em ambas as cidades abrigaram e cuidaram dos refugiados durante seu êxodo.

Da Rússia, eles cruzaram para a Estônia, uma nação da União Europeia no Mar Báltico que já foi parte da União Soviética.

Lá eles adoraram com a Igreja de Cristo em Tallinn, capital da Estônia, antes de seguirem para Sopot, onde a missionária Molly Dawidow e sua filha, Annabelle, trabalharam com autoridades da cidade e membros da igreja polonesa para transformar seu prédio em um dormitório para refugiados ucranianos.

“Isso é o paraíso”, disse Olya, olhando em volta para a cozinha do apartamento que servia como seu lar temporário.

Em Sopot, o pastor fez batismos de três mulheres que entregaram suas vidas a Jesus, após um culto de domingo.

Ela e seus companheiros sobreviventes – seu marido Zhenya, seu filho e filha, os ministros Aleksei e Sasha – compartilharam sorrisos e até risadas ao relembrar aqueles incontáveis ​​momentos em que se amontoaram no corredor.

 

Licença de uso de imagem:

Licença Creative Commons
Esta obra está licenciada com uma Licença Creative Commons Atribuição 4.0 Internacional.



Fonte: Guiame


20/07/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO