NOTÍCIAS


Noruega tem número recorde de menores buscando mudança de gênero



Segundo o relatório anual do Serviço Nacional de Tratamento Norueguês para Incongruência de Gênero (NBTK), no ano de 2022, foram encaminhados ao hospital 268 menores foram para iniciar o tratamento de transição de gênero, representando um aumento de 13% em relação ao ano anterior.

De acordo ainda com o NBTK, o número de pacientes adultos que buscaram avaliação e tratamento aumentou em 19% em relação a 2021.

Nos dois casos os números são recordes.

“Os motivos são complexos, mas informações facilmente acessíveis sobre LGBTQ+ e um forte foco da mídia podem ser parte do motivo, por que mais pessoas acreditam que o tratamento de afirmação de gênero pode resolver seus desafios de vida”, disse Kjersti Gulbrandsen, chefe de departamento do NBTK.

‘Incerto e inseguro’

No ano de 2021, o governo da Noruega implementou novas diretrizes nacionais para o tratamento de indivíduos que desejam realizar a transição de gênero, as quais foram criticadas por serem consideradas “pouco claras e inseguras”.

Embora a diretriz não exija uma avaliação psiquiátrica antes do tratamento, o Rikshospitalet – o único hospital em Oslo onde os pacientes podem iniciar o processo de redesignação de sexo – exige um encaminhamento do médico de família e que o desconforto com o próprio gênero tenha existido por um período significativo de tempo, não como resultado de uma doença mental.

De acordo com as organizações de direitos das pessoas trans, essas exigências adicionais “contribuem para a morbidez e um fardo adicional para as pessoas trans e tornam o tempo de espera ainda maior”.

“Tratamento experimental”

Devido a essas diferenças, a Comissão Nacional de Inquérito para Serviços de Saúde e Cuidados (Ukom) lançou recentemente um relatório afirmando a necessidade de fortalecer a segurança dos pacientes.

“É preciso clarificar o que é boa prática e criar serviços de atendimento a crianças e jovens. Isso garantirá que eles recebam apoio e ajuda, além de evitar tratamentos incorretos ou inseguros”, disse Stine Marit Moen, chefe de medicina e ciências da saúde da Ukom, em um comunicado à imprensa.

A Ukom está pedindo ao Ministério da Saúde e Assistência que considere estabelecer um registro nacional de qualidade médica para o tratamento de crianças e jovens com disforia de gênero, a fim de fornecer uma visão geral, melhor qualidade e reduzir a variação injustificada no tratamento do paciente.

Além disso, recomenda “definir bloqueadores da puberdade e tratamentos hormonais e cirúrgicos de confirmação de gênero para crianças e jovens como tratamento experimental”.

Tanto a Ukom quanto o Ministério da Saúde concordam que um grande grupo de pessoas não está recebendo os cuidados de saúde adequados e que é necessário quebrar o “monopólio” do Rikshospital. Por essa razão, o Ministério abriu recentemente uma unidade regional de tratamento de transição de gênero em outro hospital, em Vestfold.

Leis ‘trans’ para menores na Europa

A Noruega não é o único país europeu onde há um debate em curso sobre as transições de gênero em menores. Esse é um tema muito discutido em muitos países do mundo e tem gerado debates acalorados em vários níveis, incluindo na esfera política e social.

Na Escócia, adolescentes com 16 anos ou mais podem autodeclarar seu gênero e solicitar a mudança de sexo em documentos oficiais sem a necessidade de um diagnóstico médico.

Em julho passado, o Serviço Nacional de Saúde (NHS) do Reino Unido anunciou o fechamento da clínica Tavistock, após uma revisão externa ter constatado que ela negligenciou outros problemas de saúde mental em seus pacientes e falhou em coletar dados adequados sobre o uso e possíveis efeitos colaterais dos bloqueadores de puberdade.

O Parlamento holandês aprovou uma lei que permite que jovens com 16 anos ou mais alterem seu gênero em documentos oficiais, como certidões de nascimento, passaportes ou carteiras de identidade, sem precisar do consentimento dos pais. No caso de menores de 16 anos, a lei exige que um juiz avalie o caso antes de autorizar a mudança.

Na Espanha, a lei de proteção dos direitos das pessoas trans e de igualdade social e não discriminação, conhecida como a “lei trans”, foi aprovada pelo parlamento espanhol em junho de 2021. Aqueles com idade entre 14 e 15 anos agora podem mudar de sexo contra a vontade de seus pais se vencerem um processo judicial com uma decisão judicial. defensor fornecido pelas autoridades.

Outros nove países europeus, como Bélgica, Dinamarca, Islândia, Irlanda, Luxemburgo, Malta, Portugal, Suécia e Suíça, também adotaram sistemas de autodeclaração para o reconhecimento legal de gênero.



Fonte: Guiame


31/03/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
CONECTADOS COM DEUS