NOTÍCIAS


Netanyahu compara defesa de Israel contra o Irã à história de Ester



Benjamin Netanyahu, o primeiro-ministro de Israel, expressou forte crítica às afirmações do chefe da Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA), que no sábado insinuou que um ataque às instalações nucleares do Irã por parte de Israel seria “ilegal”.

Durante a reunião do gabinete no domingo (05), enquanto os israelenses se preparavam para celebrar o feriado de Purim na segunda e terça-feira, Netanyahu fez uma comparação entre a atual defesa de Israel contra o Irã e a história bíblica de Ester.

Ele mencionou como Ester convenceu o rei persa a anular um decreto que ordenava a morte de todos os judeus.

“2.500 anos atrás, um inimigo surgiu na Pérsia que procurava destruir os judeus. Eles não tiveram sucesso então, nem terão sucesso hoje”, disse Netanyahu.

Ele perguntou: “O Irã, que clama abertamente por nossa destruição, tem permissão para defender as armas destrutivas que nos matariam? Temos permissão para nos defender? É claro que estamos e é claro que o faremos”.

Ataque militar

Netanyahu estava respondendo a comentários feitos em Teerã no fim de semana pelo diretor-geral da AIEA, Rafael Grossi.

Segundo reportagem do JNS News, em uma coletiva de imprensa conjunta com o diretor da Organização de Energia Atômica do Irã, Mohammed Eslami, Grossi disse: “Acho que qualquer ataque, qualquer ataque militar a uma instalação nuclear é proibido [ed] – está fora das estruturas normativas que todos nós respeitamos.”

Em um comunicado conjunto, a AIEA e o Irã afirmaram que trabalhariam juntos em um “espírito de cooperação”, apesar do relatório da AIEA divulgado em 28 de fevereiro, alertando que o Irã havia enriquecido urânio a um nível de quase 84% e poderia, possivelmente, produzir uma bomba nuclear em apenas 12 dias.

Netanyhau chamou Grossi de “um cavalheiro digno que disse algo indigno”.

Enquanto isso, um artigo do analista militar da Ynet News, Ron Ben-Yishai, publicado no domingo, relatou que o governo Biden teme que Israel possa realizar um ataque preventivo para impedir que o Irã adquira armas nucleares sem notificá-los.

O texto menciona a visita do chefe do Estado-Maior Conjunto, general Mark Milley, a Israel na última sexta-feira, onde ele se encontrou com altos funcionários de defesa israelenses, incluindo o ministro da Defesa, Yoav Gallant.

Arma nuclear

Após a reunião, Gallant disse: “É necessária uma cooperação contínua para impedir que o Irã obtenha uma arma nuclear“. Ele agradeceu a Milley por seu compromisso com a segurança de Israel.

De acordo com a coluna da Ynet, um alto funcionário de defesa israelense afirmou que a Casa Branca e o Pentágono estão preocupados com a possibilidade de um ataque surpresa de Israel ao Irã, enquanto os EUA e seus aliados estão altamente envolvidos com a Ucrânia e aumentando as tensões com a China.

Na véspera de Purim, o líder do grupo terrorista Hezbollah e representante do Irã no Líbano, Sheik Nasrallah, declarou o fim de Israel em um discurso na segunda-feira. Nasrallah destacou o conflito interno de Israel em relação à reforma judicial e outras questões, afirmando que “tudo o que está ocorrendo em Israel é um sinal do fim da entidade”.

Ele acrescentou que a aprovação do gabinete israelense da pena de morte para terroristas “só aumentará o desejo dos palestinos de realizar mais ações da Jihad”.



Fonte: Guiame


07/03/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
ADORAÇÃO MÁXIMA