NOTÍCIAS


Manifestantes destroem Bíblia em evento de liberdade de expressão nos EUA



Durante um evento na terça-feira (04) na Universidade Estadual de Nova York em Albany (SUNY Albany), manifestantes se mobilizaram para impedir o comentarista conservador Ian Haworth de se expressar, mesmo diante da temática abordada em sua palestra pelo Turning Point USA (TPUSA), para discutir a importância da liberdade de expressão nos campi universitários.

Haworth rotulou o episódio como “a coisa mais socialista que já vi”.

“Direitos trans são direitos humanos”, o grupo gritava em um ponto. “F—você, TPUSA!”, exclamaram separadamente.

A palestra intitulada “Liberdade de expressão no campus”, patrocinada pela Turning Point USA, acabou se tornando caótica quando os alunos começaram a insultar Haworth e expressar sua raiva de forma intensa, tornando o local em um ambiente hostil e desafiador.

“F— Ian!” manifestantes gritaram em um vídeo que ele postou no Twitter. “F— vocês, fascistas!”, diziam em outro. Haworth riu disso como “ironia”.

“Ontem à noite, eu estava na Universidade de Albany para falar com @TPUSA. Meu argumento: a liberdade de expressão está sendo destruída nos campi universitários. E como um relógio, alguns manifestantes enlouquecidos apareceram e usaram o veto do heckler para tentar encerrar o evento”, ele tuitou na quarta-feira.

O veto do heckler (também conhecido como veto da multidão) é um fenômeno que ocorre quando um grupo de pessoas tenta silenciar um palestrante ou impedir a realização de um evento através de protestos, insultos, vaias e outras formas de interrupção. Isso pode acontecer em debates políticos, palestras em universidades ou eventos públicos.

“Quando o capítulo tentou acalmar os manifestantes para que pudéssemos começar o evento, eles responderam com ‘f— você @TPUSA’ A esquerda tolerante, senhoras e senhores”, continuou ele no tópico.

Haworth publicou várias mensagens sobre o assunto, apontando que os manifestantes que invadiram a sala estavam desfrutando da pizza grátis que havia sido oferecida pela organização contra a qual protestavam.

“A coisa mais socialista que eu já vi é um bando de estudantes enlouquecidos gritando ‘sem policiais, sem KKK, sem @TPUSA’ para um imigrante judeu enquanto também enfiam alegremente pizza grátis goela abaixo paga por… @TPUSA! ,” ele escreveu.

Brincando, ele acrescentou: “Claro, eles são nazistas, mas quem não gosta de uma fatia grátis?”

Bíblia destruída

De acordo com outro tuíte relacionado ao assunto, um dos manifestantes chegou a destruir a Bíblia pertencente a um participante do evento “sem motivo algum”.

Haworth observou que a situação ficou ainda mais estranha quando os manifestantes decidiram formar uma fila de conga na sala, desligando a câmera enquanto passavam.

“Nenhuma pessoa parecia preocupada com o fato de esta ser uma dança tradicional do carnaval cubano e, portanto, um ato de apropriação cultural”, escreveu Haworth em um vídeo no Twitter.

Alguns outros estudantes tiraram seus calçados Crocs e começaram a dançar e gritar, antes de finalmente assumir o controle da sala.

O evento de Haworth foi transferido para outro local, com a presença de escolta policial e reforço da segurança ao redor do novo local.

“A faculdade é agora onde a liberdade de expressão vai morrer, e precisamos recuar contra esses touros — com tudo o que temos. Não deixe a minoria furiosa intimidar as pessoas até o silêncio”, disse Haworth.

Em uma declaração à Fox News Digital, a SUNY Albany disse:

“Consistente com a missão de uma instituição de ensino superior, esperamos que os membros de nossa comunidade possam expressar suas opiniões de uma maneira que promova um diálogo construtivo e honre o compromisso da UAlbany com a liberdade de expressão”, disse a escola. “Isto é especialmente importante quando envolve discurso que os membros da nossa comunidade consideram ofensivo ou censurável”.

“Nossa obrigação constitucional de proteger o discurso, mesmo quando esse discurso entra em conflito fundamental com nossos valores fundamentais, é um pilar de nosso sistema democrático. Estamos igualmente comprometidos em promover um ambiente no qual todos os alunos se sintam seguros e incluídos – e que o direito de protestar também está protegido”, acrescentou.

Direitos e responsabilidades

A SUNY Albany disse que ajudará os integrantes de sua comunidade a entender seus “direitos e responsabilidades sob a Primeira Emenda” e declarou que todas as organizações estudantis têm o direito de reservar espaço e convidar oradores convidados “sem interferência”.

A universidade informou que seus funcionários e o departamento de polícia da instituição trabalharam em conjunto com a organização responsável pelo evento para realocá-lo e garantir que pudesse prosseguir, ao mesmo tempo em que ofereciam um espaço para os manifestantes expressarem suas preocupações. Além disso, foi relatado que dois estudantes receberam multas por tentar acessar uma área restrita destinada ao evento.

Haworth respondeu com a seguinte declaração:

“Os manifestantes que invadiram o evento Turning Point USA sobre liberdade de expressão na Universidade de Albany provaram meu ponto: os campi universitários são onde a liberdade de expressão vai morrer. Os manifestantes interromperam o evento, abusando e insultando o capítulo da TPUSA, funcionários da faculdade, policiais e seus colegas estudantes, com um objetivo: impedir a fala. Embora eu apoie totalmente o direito de protesto (mesmo que as acusações de que eu seja um infame imigrante judeu, transfóbico e misógino, membro do KKK sejam ridiculamente imprecisas), o veto do heckler não é liberdade de expressão. …e também não está destruindo a propriedade dos membros da TPUSA!…”

“Em última análise, isso não é sobre mim. Duvido que esses manifestantes soubessem quem eu era antes deste evento. Na realidade, é sobre qualquer ideia que ameace a ideologia fascista do esquerdismo no campus. Este infeliz evento prova a ameaça que os conservadores enfrentam todos os dias no campus e reforça a verdade de que as faculdades têm o dever de permitir que a liberdade de expressão e o debate floresçam no campus.”

Haworth também expressou sua gratidão à TPUSA, ao corpo docente da universidade e às autoridades policiais por garantirem que o evento pudesse ser realizado no novo local.



Fonte: Guiame


11/04/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
ADORA TOP