NOTÍCIAS


Mais de 50.000 cristãos foram massacrados nos últimos 14 anos na Nigéria, diz relatório



De acordo com o relatório intitulado “Cristãos Mártires na Nigéria”, publicado pela Sociedade Internacional para Liberdades Civis e Estado de Direito (Intersociety), sediada no leste da Nigéria, cerca de 52.250 pessoas foram mortas nos últimos 14 anos no país africano por serem cristãs.

Desde a chegada do presidente Muhhamadu Buhari ao poder em 2015, o relatório indica que 30.250 cristãos foram assassinados. O relatório atribui a responsabilidade dessas mortes ao que chama de “islamismo radical” de Buhari. Além disso, aproximadamente 34.000 muçulmanos moderados também foram vítimas de massacres ou assassinatos no mesmo período.

Infelizmente, o relatório indica que a situação em 2023 não apresentou melhora, pois nos primeiros 100 dias do ano (de 1º de janeiro a 10 de abril), 1.041 “cristãos indefesos” foram massacrados e sequestrados.

O relatório da Sociedade Internacional para Liberdades Civis e Estado de Direito (Intersociety) também revela que sob a presidência de Buhari, cerca de 18.000 igrejas e 2.200 escolas cristãs foram incendiadas na Nigéria.

Além disso, o relatório destaca que os ataques aos cristãos na Nigéria resultaram em sérios problemas de deslocamento forçado. Mais de 50 milhões de cristãos, principalmente no norte do país, enfrentam “sérias ameaças jihadistas por serem cristãos professos”, e cerca de “14 milhões foram desenraizados e 8 milhões forçados a fugir de suas casas para evitar serem mortos a golpes”.

Refugiados

Cerca de “5 milhões foram deslocados e forçados a ir para campos de pessoas deslocadas internamente (PDI) na Nigéria e campos de refugiados nas fronteiras regionais e sub-regionais”.

O grande número de cristãos e muçulmanos moderados mortos ou deslocados tem sido motivo de grande preocupação para muitas pessoas, incluindo Andrew Boyd, porta-voz da Release International, organização que atua em defesa da igreja perseguida em cerca de 30 países. Ele descreveu as descobertas do relatório como “um número impressionante de mortes”.

“É absolutamente chocante que tantos cristãos sejam perseguidos por sua fé e mortos na Nigéria, enquanto o governo nigeriano parece ficar parado e deixar isso acontecer. Não é menos chocante que a comunidade internacional pareça satisfeita em ficar à margem e assistir”, disse ele à OSV News.

Enquanto isso, a Ajuda à Igreja que Sofre (ACN), em seu próprio relatório, deu voz aos milhares de cristãos perseguidos por sua fé na Nigéria.

Violência e sofrimento

Apenas com 7 anos, Maryamu Joseph foi vítima do ataque do Boko Haram, uma organização extremista jihadista, que invadiu sua comunidade em Bazza, levando-a e outras 21 pessoas à força para a floresta de Sambisa, onde ela permaneceu por nove anos. Foi somente em julho de 2022 que Maryamu conseguiu escapar e compartilhar sua história com a Ajuda à Igreja que Sofre (ACN).

“Nove anos vivendo em cativeiro! Nove anos de tortura! Nove anos de agonia! Sofremos muito nas mãos dessas pessoas sem coração e implacáveis”, disse ela à ACN.

“Durante nove anos, vimos o derramamento de sangue inocente de meus irmãos cristãos, mortos por pessoas que não valorizam a vida. Eles assassinaram sem remorso, como se fosse uma coisa normal de se fazer, e em um piscar de olhos. Palavras não podem fazer justiça ao que eu passei.”

Andrew Boyd disse que sua organização identificou a Nigéria como “um país de particular preocupação”. Mas os números daqueles que foram mortos em dezenas de milhares, e os testemunhos desanimadores de sobreviventes como Maryamu Joseph, “gritam mais claramente do que jamais poderíamos”, disse Boyd. Ele disse que as estatísticas eram sem dúvida terríveis, mas não surpreendentes.

“Release International tem reportado ano após ano sobre o alvo de cristãos na Nigéria por militantes islâmicos. Não apenas os cristãos da Nigéria enfrentam massacres nas mãos do Boko Haram e do Estado Islâmico, eles estão sendo mortos diariamente por extremistas Fulani bem armados”, disse Boyd à OSV News, referindo-se aos pastores Fulani que se juntaram a grupos extremistas islâmicos.

Traumas

Ele alertou que poderia haver “um êxodo em massa de cristãos do país mais populoso da África, a menos que o novo presidente nigeriano tome medidas urgentes para proteger os cristãos da violência desses jihadistas“.

Ele disse que sua organização estava trabalhando com parceiros na Nigéria “para fornecer apoio aos cristãos que sofrem”. Isso inclui aconselhamento de trauma.

“Tantos perderam membros de suas famílias e suas casas. Estamos trabalhando com parceiros de confiança para trazer algum conforto e apoio. Estamos levantando suas vozes e suas preocupações em todo o mundo. E continuaremos a fazê-lo”, enfatizou Boyd.

Segundo a lista de observação de 2023 da Portas Abertas, divulgada em janeiro, a Nigéria é um dos lugares mais perigosos para os seguidores de Jesus. O relatório diz que a Nigéria é responsável por 89% dos cristãos martirizados em todo o mundo.



Fonte: Guiame


13/04/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
SUPER GOSPEL