NOTÍCIAS


Mais de 4.000 cristãos foram mortos na Nigéria só em 2022



O ano de 2022 ainda não terminou, mas já se mostra um dos mais cruéis para cristãos na Nigéria. Até o momento, pelo menos 4.020 cristãos foram mortos, segundo um relatório divulgado esta semana pela Sociedade Internacional para Liberdades Civis e Estado de Direito e enviado ao The Christian Post.

Entre as mortes de cristãos entre janeiro e outubro, os Fulani e grupos terroristas islâmicos aliados foram responsáveis ​​por 2.650, disse o grupo Intersociety, com sede em Anambra.

Os outros grupos terroristas, incluindo o Estado Islâmico na província da África Ocidental, Boko Haram e Ansaru, foram responsáveis ​​por 450 mortes de cristãos e os bandidos Fulani (Zamfara) e seus grupos dissidentes foram responsáveis ​​por 370 mortes de cristãos, acrescentou.

Sequestros

Além dos assassinatos, os cristãos também são vítimas de sequestros. Pastores Fulani, bandidos Fulani (Zamfara) e outros grupos jihadistas armados que são “amigáveis ​​​​ao governo nigeriano” sequestraram mais de 2.315 cristãos, dos quais 1.401 foram sequestrados entre janeiro e junho e 915 entre julho e outubro, acrescentou a Intersociety.

Dirigida pelo criminologista cristão Emeka Umeagbalasi, a organização diz que dos 2.315 cristãos sequestrados, cerca de 10%, ou 231, podem nunca retornar às suas famílias devido às suas circunstâncias ou “provavelmente foram mortos em cativeiro por sua recusa em se converter ao Islã ou incapacidade de pagar enormes resgates. exigiu”.

Em média, de acordo com as estatísticas, mais de 400 cristãos foram abatidos e 231 outros foram sequestrados por mês, ou 13 mortes e oito sequestros foram relatados por dia, respectivamente, enfatizou a Intersociety.

Sem liberdade religiosa

A Comissão de Liberdade Religiosa Internacional dos EUA (USCIRF, sigla em inglês) é formada por um corpo de especialistas independentes com mandato do Congresso, encarregado de aconselhar o governo federal sobre questões de liberdade religiosa.

O relatório da Intersociety foi divulgado cerca de dois meses após a USCIRF alertar que a liberdade religiosa estava se deteriorando na Nigéria por causa do aumento da violência por atores não estatais e que a “má governança” estava impulsionando e agravando essa violência.

“Nos últimos anos, a violência de atores não estatais aumentou na maior parte da Nigéria, e essa violência produziu consequências humanitárias e de direitos humanos devastadoras, incluindo, mas não se limitando à violência baseada na religião e outras violações dos direitos dos nigerianos à liberdade de religião ou crença”, disse a USCIRF em um relatório sobre a violência no país mais populoso da África.

“A violência que infringe a liberdade de religião ou crença na Nigéria inclui violência militante islâmica, violência baseada em identidade na interseção de religião, etnia e herança geográfica, violência da multidão contra indivíduos acusados ​​de blasfêmia e violência que afeta o culto”, explicou a comissão.

Números assustadores

A Intersociety disse em um relatório anterior que pelo menos 60.000 cristãos foram mortos nas últimas duas décadas na Nigéria, acrescentando que cerca de 10 milhões de pessoas foram desenraizadas no norte da Nigéria, onde a violência extremista foi mais grave, de julho de 2009 a julho de 2021.

O relatório acrescentou que cerca de 2.000 escolas cristãs foram atacadas durante esse período.

As atrocidades incluíram “massacres, assassinatos, mutilações, torturas, mutilações, sequestros, sequestros, estupros, corrupção de meninas, casamentos forçados, desaparecimentos, extorsões, conversões forçadas e destruição ou queima de casas e cultos sagrados e centros de aprendizado”, relatou a Intersociety na época.

Muitos levantaram preocupações sobre o que consideram a inação do governo em responsabilizar os terroristas pelo número crescente de assassinatos e sequestros, que alguns grupos alertam ter atingido o nível de genocídio.

Em seu relatório, a USCIRF recomendou que o Departamento de Estado designasse a Nigéria como um país de particular preocupação por “engajar e tolerar violações sistemáticas, contínuas e flagrantes da liberdade religiosa”.

Os países sujeitos à designação “CPC” do Departamento de Estado enfrentam consequências negativas, incluindo a possibilidade de sanções incapacitantes.



Fonte: Guiame


11/11/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO