NOTÍCIAS


Juíza da Suprema Corte pode ser impedida de julgar caso LGBT por ser cristã



A fé cristã da juíza Amy Coney Barrett, da Suprema Corte dos EUA, é o motivo dos pedidos para que ela se recuse a julgar um caso futuro envolvendo o trabalho de uma web designer de sites de casamento para clientes LGBTQ.

Os pedidos foram feitos por ex-membros do People of Praise (Povo de Louvor, em tradução livre), uma rede de comunidades cristãs de Indiana, que falaram com o The Guardian argumentando que Barrett deveria se recusar a participar do caso 303 Creative LLC v. Aubrey Elenis. A Suprema Corte começará a ouvir os argumentos orais em 5 de dezembro.

Católica devota, Barrett não falou publicamente sobre sua afiliação com o grupo religioso secreto People of Praise, que a considera membro.

Os conservadores argumentaram que a fé de Barrett foi armada injustamente durante suas audiências de confirmação em 2020, quando a indicada por Trump disse aos senadores que suas crenças religiosas pessoais não interfeririam em sua capacidade de ser uma juíza imparcial.

“Não acredito que alguém na posição dela, que seja membro deste grupo, possa deixar esses preconceitos de lado, especialmente em uma decisão como a que está por vir”, disse Maura Sullivan, 46 anos, criada na People da comunidade Praise, disse ao The Guardian.

Sullivan, que se identificou como bissexual, disse que se assumiu aos 19 anos e seus pais a interromperam e a impediram de ficar sozinha com uma irmã mais nova. Depois disso, elas voltaram ao relacionamento assim que seus pais deixaram a comunidade People of Praise.

Caso em questão

Barrett pode ser impedida de julgar o caso 303 Creative LLC v. Aubrey Elenis, que envolve Lorie Smith, proprietária e fundadora de uma empresa de design gráfico, que deseja publicar uma declaração dizendo que não aceitará clientes que solicitem designs de sites de casamento para casais do mesmo sexo, como conflitos de casamento gay com suas crenças religiosas.

Uma lei estadual e a Constituição americana serão confrontadas no caso. O tribunal irá deliberar se a Lei Antidiscriminação do Colorado, que proíbe empresas abertas ao público de discriminar com base em inúmeras características, incluindo orientação sexual, viola a Cláusula de Liberdade de Expressão da Primeira Emenda.

Smith afirma que trabalhou com clientes LGBTQ em outros projetos que não conflitam com suas crenças religiosas.

“Uma vitória para Lori não seria apenas uma vitória para ela, seria também uma vitória para o designer gráfico LGBT que não quer ser forçado a criar arte e promover mensagens com as quais discorda”, disse a principal advogada de Smith, Kristen. K. Waggoner, ao The Washington Examiner.

Impedimento de Barrett

Para as pessoas que deixaram o People of Praise a posição anterior de Barrett no conselho da Trinity Schools Inc., que é afiliada ao grupo, a impede de julgar o caso.

Um guia do corpo docente daquele mesmo ano disse que “a flagrante imoralidade sexual” – incluindo “atos homossexuais” – “não tinha lugar na cultura das Trinity Schools”. A política estava em vigor antes e depois da entrada de Barrett.

“O People of Praise tem valores antigays profundamente arraigados que afetam negativamente a vida de pessoas reais, incluindo jovens vulneráveis. Esses valores aparecem nas políticas cotidianas do People of Praise e de suas escolas. O mainstream, e a maioria dos americanos ficaria perturbada com eles”, disse Kevin Connolly, ex-membro do People of Praise, ao The Guardian.

Pontos de vista

Segundo especialistas jurídicos, é improvável que Barrett se recuse a participar do caso.

“Os juízes da Suprema Corte têm pontos de vista e estão conectados com muitas organizações, muitos grupos em geral, e isso não é suficiente”, disse Jonathan Entin, professor de direito constitucional da Case Western University, ao Examiner.

“Não há chance de que a juíza Barrett se recuse do caso com base nas ligações de ex-membros do People of Praise para fazê-lo”, disse Paul Collins, professor de estudos jurídicos e ciências políticas da Universidade de Massachusetts Amherst, à Newsweek.

“A razão é que as alegações de um conflito são muito amplas para serem significativas e podem se aplicar a membros de uma ampla gama de organizações religiosas que efetivamente impediriam muitos juízes de ouvir casos sobre quaisquer questões que envolvam remotamente a religião”, acrescentou Collins.



Fonte: Guiame


29/11/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO