NOTÍCIAS


Jovem é evangelizado por amigo em festa de Halloween e se converte: “Deus o usou”



Na noite de Halloween de 1998, Garret Kell deu uma festa em seu apartamento, na Virginia Tech University. Aos 20 anos de idade, ele estava no auge da vida, conforme conta num artigo do The Gospel Coalition.

“Eu tinha três colegas de quarto do sexo feminino e uma namorada, e passava a maior parte do meu tempo livre, fumando maconha, usando cocaína e bebendo”, revelou.

Ele já tinha preparado tudo e então convidou seu velho amigo do ensino médio, Dave, para passar o fim de semana com ele: “Dave e eu tínhamos jogado bola e festejado juntos ao longo dos anos, então eu estava animado para vê-lo”.

Cumprimentei Dave quando ele chegou e o acompanhei até meu quarto, mostrando orgulhosamente os presentes de boas-vindas que eu havia preparado: um saco de maconha e sua cerveja favorita. Depois disse que havia uma garota para ele”, contou. 

Mas Dave não respondeu como Garret esperava. Em vez disso, ele gentilmente fechou a porta e se sentou na cama: “Ele me olhou nos olhos e disse que não fazia mais essas coisas, que havia se tornado cristão e que amava Jesus”. 

‘Paz que nenhuma quantidade de drogas pode proporcionar’

Quando o amigo disse que Jesus o amava também, Dave disse que riu. A festa aconteceu e Garret se comportou como de costume, bebendo e se drogando. 

Mas Dave se manteve sóbrio. “Amigos me perguntaram o que havia com ele e, quando eu disse que ele cristão, todos nós zombamos e dissemos ‘coitado’, como se ele tivesse pegado uma doença ou algo assim”, lembrou. 

“Com o passar da noite, porém, meu coração ficou inquieto. Em meio à música e muitos risos, eu estava assombrado. Dave tinha uma paz que nenhuma quantidade de drogas ou álcool poderia proporcionar”, disse.

“O fim daquela noite provou ser o começo do resto da minha vida. Nos dias seguintes, Dave e eu conversamos sobre o Evangelho. Ele me deu a Bíblia para ler e tentou responder minhas perguntas”, continuou.

“Diga a Jesus que mandei um oi”

“Dave até suportou minha zombaria. Depois, conversamos por telefone várias vezes e trocamos e-mails”, contou Garret ao compartilhar alguns trechos de um dos e-mails que escreveu uma semana após a visita do amigo.

“Cara, temos que conversar. É ótimo saber que é o Sr. Religioso agora, mas quero que saiba que estou preocupado com você. Quero que tome cuidado para não exagerar e começar a ficar todo estranho comigo”, escreveu.

“Eu sei que ir à igreja é uma coisa boa e que Deus é real e tudo isso, mas se você não curtir, vai perder o que realmente é a vida. Sei que está tentando ser um ‘bom menino’, mas quando você veio aqui e não quis beber, você parecia um idiota. O que há de errado com você?”, questionou no e-mail. 

“Sei que está pregando para mim porque você é meu amigo, mas eu estou bem. Deus e eu nos entendemos. Sei que fico louco de vez em quando, mas não acho que Deus vai me mandar para o inferno por me divertir”, continuou. 

“Eu não sou uma pessoa ruim e Ele conhece meu coração. Bem, chega disso. Tenho certeza que logo você voltará ao normal e poderemos fumar maconha para comemorar. Seja um bom menino e diga a Jesus que mandei um oi”, finalizou sua mensagem. 

“Comecei a me sentir desconfortável”

“Apesar da minha bravura, comecei a me sentir desconfortável nas festas. Eu me senti sujo e confuso. Um dia, entrei no meu quarto, fechei a porta e falei com Deus: ‘Se você é real, me mostre algo’. Olhei para baixo e vi o canto de uma Bíblia que meus pais me deram quando fui para a faculdade”, mencionou.

“Até então, ela estava escondida debaixo da minha cama. Mas, por alguma razão, naquela noite, estava aparecendo. Sentei-me à mesa e joguei ‘roleta bíblica’. Abri em Ezequiel 18.20 e li isso: ‘Aquele que pecar, morrerá’ e continuei a leitura nos versículos seguintes”, contou. 

Garret disse que ficou assustado com as palavras que leu, citando ainda: “Teria eu algum prazer na morte do ímpio?” (Ez 18.23).

“Então fechei a Bíblia e disse: ‘Deus, vamos tentar de novo’. E desta vez, abriu em Romanos 2”, lembrou ao citar o texto que fala da teimosia do coração — Deus retribuirá a cada um conforme o seu procedimento”. 

E ainda destacou o que leu sobre a bondade de Deus: “Será que você despreza as riquezas da sua bondade, tolerância e paciência, não reconhecendo que a bondade de Deus o leva ao arrependimento?”. 

“Deus salvou minha alma”

Garret conta que, algumas semanas depois, ele estava em casa, nas férias de Natal, usando uma droga chamada ecstasy. 

“Em algum momento, depois da meia-noite, fiquei estranhamente sóbrio e senti um fardo esmagador de ligar para Dave. Ele veio à minha casa, carregando sua Bíblia, com lágrimas escorrendo pelo rosto”.

“Não tenho certeza se foi naquela noite ou nas semanas que se seguiram, mas Deus salvou minha alma. Comecei a ‘devorar’ a Bíblia. Não parecia mais um livro de histórias antigas”, disse. 

Ele descreveu as Escrituras como um holofote que vasculhava sua alma, lhe  mostrando as profundezas do seu pecado e a profundidade do amor de Deus por ele. 

Dave disse que esteve em oração, todos os dias, desde a festa. Os dois conversaram sobre Deus: “Ele explicou que a culpa que eu sentia era porque estava em rebelião com Deus, a caminho do inferno”. 

“Eu não queria Jesus, mas Ele me queria”

“Ele me disse que Jesus perdoaria todos os meus pecados, mudaria minha vida e me faria Dele para sempre”, disse Garret ao testemunhar sobre sua conversão. 

Ele reconhece que o amigo foi um instrumento de Deus para transmitir a mensagem que mudou sua vida para sempre: “Eu ligo para o Dave em todas as noites de Halloween e agradeço a ele por sua atitude”. 

“Eu era um candidato muito improvável ao cristianismo. Eu amava meu pecado e minha vida. Eu tinha um coração muito duro”, reconheceu.

“Muitas pessoas antes de Dave tentaram ter uma conversa sobre o Evangelho comigo, mas eu não queria Jesus. Porém, por alguma razão, Jesus me queria. E isso pode acontecer com qualquer um”, concluiu. 



Fonte: Guiame


31/10/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO