NOTÍCIAS


Indiana se torna o 1º estado americano a proibir aborto, após decisão da Suprema Corte



O governador de Indiana assinou, na sexta-feira (05), uma proibição quase total do aborto logo após os legisladores aprovarem restrições ao procedimento. O estado é o primeiro a aprovar a proibição desde que a Suprema Corte dos EUA derrubou Roe v. Wade.

As novas regras, que entram em vigor em 15 de setembro, incluem algumas exceções. Abortos seriam permitidos em casos de estupro e incesto, antes de 10 semanas pós-fertilização; proteger a vida e a saúde física da mãe; e se um feto for diagnosticado com uma anomalia letal, segundo informa a AP.

O projeto prevê que a interrupção da gravidez pode ser realizada apenas em hospitais ou centros ambulatoriais pertencentes a hospitais. Com essas condições, provavelmente todas as clínicas de aborto perderiam suas licenças.

Médicos que realizam aborto ilegal ou deixam de apresentar os relatórios necessários também devem perder sua licença profissional – redação que endurece a lei atual de Indiana.

“Pessoalmente, estou muito orgulhoso de cada Hoosier que se apresentou para compartilhar corajosamente seus pontos de vista em um debate que provavelmente não terminará tão cedo”, disse o governador Eric Holcomb no comunicado anunciando que assinou a medida. “De minha parte como seu governador, continuarei de ouvido aberto.”

Sua aprovação veio depois que o Senado aprovou a proibição por 28 a 19 e a Câmara avançou por 62 a 38.

Leis rígidas

Indiana foi uma das primeiras legislaturas estaduais controladas por republicanos a debater leis de aborto mais rígidas após a decisão da Suprema Corte em junho que removeu as proteções constitucionais para o procedimento, informa a AP.

Mas é o primeiro estado a aprovar uma proibição em ambas as câmaras, depois que os legisladores da Virgínia Ocidental, em 29 de julho, perderam a chance de ser esse estado.

“Feliz por estar concluído com isso, uma das coisas mais desafiadoras que já fizemos como Assembleia Geral do estado, pelo menos certamente enquanto estive aqui”, disse o presidente do Senado pró-Tem Rodric Bray a repórteres após a votação.

“Acho que esta é uma grande oportunidade, e vamos aproveitar isso à medida que avançamos a partir daqui.”

Senadora que patrocinou o projeto de lei, Sue Glick disse que não acha que “todos os estados vão cair no mesmo lugar”, mas que a maioria da população de Indiana apoia aspectos do projeto.

Alguns senadores de ambos os partidos lamentaram as disposições do projeto e o impacto que teria no estado, incluindo mulheres de baixa renda e o sistema de saúde. Oito republicanos se juntaram a todos os 11 democratas na votação contra o projeto, apesar de razões para frustrar a medida fossem variadas.



Fonte: Guiame


08/08/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO