NOTÍCIAS


‘Haja luz’: Rabino diz que telescópio da NASA revela a criação em Gênesis


No artigo “O telescópio James Webb observa o universo através dos olhos de Deus”, o rabino Benjamin Resnick, da Solomon Schechter School of Metropolitan Chicago, faz uma reflexão sobre as imagens capturadas pelo equipamento com o texto inicial de Gênesis.

O Telescópio Espacial James Webb, 100 vezes mais poderoso que o Hubble, foi lançado em dezembro passado a um custo de US$ 10 bilhões. Com 6 metros de diâmetro e coberto com espelhos dourados, o telescópio acaba de enviar as primeiras imagens do universo invisível.

“Ele viajou um milhão de quilômetros da Terra com uma missão – cujos primeiros frutos vimos na semana passada com as fotografias divulgadas pela NASA – que é quase insondavelmente grandiosa: espiar (ou seja, olhar para trás) o momento em que o primeiro as estrelas apareceram e limparam nuvens ilimitadas de gás primordial, visto como luz que viaja em nossa direção há 13,6 bilhões de anos”, descreve o autor do artigo.

O rabino Resnick diz que “os leitores de Bereshit – Gênesis – aprendem sobre uma época em que tudo era tohu vavohu – quando tudo era sem forma e escuro – e há uma forte chance de que Webb nos mostre o exato momento em que algo aconteceu e então houve luz.”

Resnick acredita que essa tecnologia será capaz de nos fazer “ver esse momento da criação”.

“O momento em que as primeiras estrelas começaram a queimar, vasos insondáveis ​​de brilho que criariam o carbono, o nitrogênio e o oxigênio que compõem 86,9% de nossos corpos, que depois se estilhaçariam para criar nossos átomos mais pesados, que se combinariam com o hidrogênio criado durante o Big Bang”, descreve.

“Tudo isso significa, por alguma alquimia da termodinâmica que, para mim, ainda está envolta em escuridão – ou talvez por algum ato de graça primordial – somos compostos principalmente de luz estelar, nossa massa vinda de alguma vibração misteriosa de energia imortal e atemporal, ecoando pelo universo desde o início dos tempos”, analisa.

Resnick diz que “essa energia existe desde o momento em que as primeiras luzes se acenderam e existirá depois que as últimas luzes se apagarem.”

‘Olhar para traz no tempo’

O rabino diz que o James Webb, criado pelo homem inserido neste universo, conseguiu “construir máquinas para olhar para trás no tempo.”

“Nós somos o universo se conhecendo. Somos os olhos de Deus perscrutando a escuridão sem fim, acendendo fogos de imaginação e engenhosidade que nos permitem alcançar nossos corpos para torná-los bons, viajar para os grandes orbes no céu e olhar profundamente no passado, com um vaso de ouro como o altar de incenso coberto de ouro, queimando através do tempo e denso com a fragrância da memória, escondendo suas iluminações em algum lugar sob a fumaça”, diz.

“E passamos a entender o que, onde e quando estamos. E veremos o momento em que lemos por toda a história judaica: ‘Vayomer elohim yehi ou, vayehi ou’ — ‘Deus disse: ‘Haja luz e houve luz’”.

A Nebulosa do Anel Sul, vista através do telescópio Webb, à esquerda na luz infravermelha próxima e à direita na luz infravermelha média. (Foto: NASA, ESA, CSA e STScI)

O autor do artigo diz que “não podemos — e talvez nunca conseguiremos — enxergar além desses 250 milhões de anos após o Big Bang, mas antes das estrelas, quando tudo era uma sopa escura e quente, informe e vazia, tohu vavohu”.

O rabino diz que podemos não saber o que fazer com todas essas informações captadas pelo James Webb, mas “acredito que estou realmente olhando para o mundo através dos olhos de Deus […]”. E cita o teólogo cristão Meister Eckart, que disse que “o olho com que vejo Deus é o mesmo olho com o qual Deus me vê”.

“Mas quando me imagino um dia retornando às estrelas – e quando olhei para as novas imagens do universo divulgadas esta semana pela NASA – estou realmente cheio de uma sensação de admiração, humildade, conforto e gratidão”, diz.

E finaliza: “Talvez um dia construamos um telescópio ainda mais poderoso. Talvez cheguemos mais longe e nos maravilhemos com o trabalho sombrio da criação, o mundo antes da letra ‘bet’ em ‘bereshit’, a claridade ocultando e revelando todos os mistérios.”

“Até lá, a cada ano”, conclui Resnick, “voltaremos aos pergaminhos, voltaremos a ler a história e, com nossos dedos desajeitados e maravilhosos, tentaremos tocar a criação”.



Fonte: Guiame


20/07/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO