NOTÍCIAS


Gêmea que sobreviveu ao aborto perdoa mãe biológica através da fé


Claire Culwell, uma sobrevivente de um aborto tardio que matou sua irmã gêmea, compartilha sua história de perdão em relação à sua mãe biológica.

Inspirada pela fé, ela quer que outros saibam que existem alternativas ao aborto e que nenhuma mulher precisa enfrentar esse desafio sozinha.

Com 34 anos, Claire é palestrante e autora do livro “Survivor”. Ela nasceu em Austin, Texas, onde foi adotada pelos pastores Warren e Barbara Culwell, mas atualmente reside em Lindale, Texas, com seu marido David e seus filhos.

Claire Culwell sobreviveu ao aborto. (Foto: Arquivo pessoal Claire Culwell)

“Nasci prematuramente com dez semanas pesando aproximadamente 1,41 kg”, disse Claire ao Epoch Times. “Fui criada por um maravilhoso casal cristão… eles adotaram minha irmã, Rachel, e eu de mães biológicas diferentes. Eles nos criaram em um lar amoroso e misericordioso, onde viveram sua fé e derramaram encorajamento em nossas vidas diariamente.”

‘Sua vida é um milagre’

Claire passou dois meses no hospital após o nascimento antes de ser entregue aos pais adotivos. Ela nasceu com quadris deslocados e pés tortos e precisou passar por tratamentos como arneses de quadril, gessos nos pés e em outros locais nos primeiros anos de vida. Claire foi paciente em um hospital de Dallas até os 18 anos.

Claire, ainda bebê, com seu pai adotivo, Warren Culwell. (Foto: Arquivo pessoal Claire Culwell)

Ela e sua irmã sempre souberam que eram adotadas e, quando Rachel se conectou com sua mãe biológica em 2008, Claire ficou comovida com a força dessa ligação e o sacrifício da mãe de Rachel. Motivada por isso, ela decidiu procurar sua própria mãe biológica com a ajuda da de uma agência em Oklahoma City.

“Debbie Campbell, que trabalhava em serviços de reunião, também era a assistente social de minha mãe biológica 20 anos antes de começarmos a busca”, contou Claire. “Ela conseguiu encontrá-la online através do MySpace, e minha mãe biológica, Tonya, concordou em me encontrar. Fiquei emocionada!”

Tonya Glasby, de 48 anos, de Yale, Oklahoma, conheceu Claire, seus pais e irmã em Dallas em março de 2009.

Claire e sua mãe biológica no dia em que se conheceram em março de 2009. (Foto: Arquivo pessoal Claire Culwell)

“Eu não conseguia acreditar no quanto nos parecíamos e agíamos da mesma forma, e eu sabia que a amava”, disse Claire. “Eu mal podia esperar para poder me conectar mais com ela, cara a cara, e realmente agradecê-la por minha vida, então marcamos um segundo encontro em Oklahoma … em maio de 2009. Eu levei um presente e um cartão que dizia: ‘Obrigada por escolher a vida para mim’”.

Mas, ao receber o cartão, Tonya se abalou e Claire não entendeu o motivo.

“[Ela] continuou se desculpando, dizendo: ‘Sinto muito, não escolhi a vida por você, sua vida é um milagre‘”, disse Claire. “Nada disso fez sentido. Eu estava tão confusa. O que ela quis dizer com não escolheu a vida por mim?”.

Arrependimentos dolorosos

Enquanto chorava, Tonya contou sua história a Claire. Ela explicou que ficou grávida aos 13 anos e sua mãe decidiu que ela deveria fazer um aborto.

Tonya realizou um aborto por desmembramento quando estava com 20 semanas de gravidez. Durante o procedimento, os médicos não detectaram que ela estava grávida de gêmeos, resultando apenas na interrupção de uma das gestações. Claire, no entanto, sobreviveu ao procedimento.

Algumas semanas depois, uma segunda tentativa de aborto foi feita no Kansas. Mas desta vez Tonya foi rejeitada porque seu líquido amniótico estava vazando. Ela foi então levada para Deaconess em Oklahoma City, onde permaneceu até dar à luz Claire em março de 1988.

“[Tonya] se lembra de estar sozinha, sem ser ouvida e com medo. Ninguém falou com ela ou perguntou o que eles poderiam fazer para apoiá-la durante o aborto ou durante o parto. A mãe dela optou por ela me colocar para adoção e, depois disso, ela teve que ir para casa e fingir que nada disso havia acontecido. Ela chorou porque essas decisões são seus arrependimentos mais profundos e dolorosos”, disse Claire.

Enquanto testemunhava sua mãe biológica reviver sua dor, Claire ficou surpresa ao processar a informação de ser uma sobrevivente de um aborto e de ser uma “gêmea sem gêmeo”. Contudo, naquele momento, perdoar sua mãe aconteceu naturalmente.

“Ela foi uma vítima nesta situação”, disse Claire. “E também foi fácil perdoá-la por causa de como fui criada com base no perdão e na fé. Eu sabia que não era um acidente, porque a fé na qual fui criada significava que Deus sempre tinha um plano, e seu plano era bom.”

Efeito dominó

A crença de Claire em sua fé deu a ela a convicção de que Deus está transformando sua experiência em algo positivo. Atualmente, ela tem compartilhado sua história e defendido os direitos dos fetos em todo os EUA.

“Acredito que as mulheres têm o direito de fazer o que quiserem com seus próprios corpos, mas acredito que o corpo do bebê não é o corpo dela. O corpo do bebê é um ser humano separado dentro de seu corpo, com um conjunto separado de DNA”.

Sendo mãe, Claire diz que consegue ver o “efeito dominó do aborto”.

“Se eu não tivesse sobrevivido ao aborto de minha mãe biológica, minha filha biológica não existiria e nenhum dos meus filhos teria mãe”, disse ela. “Quando falamos sobre aborto, devemos olhar para o quadro geral e perceber o impacto geracional que o aborto tem.”

Claire diz que é abençoada por ter vivido para contar sua história e compartilhar sua história com “qualquer um que queira ouvir”.

“Minha fé é a maior parte do que me ajudou na última década a saber a verdade sobre minha história de sobrevivência”, disse Claire.

Ela diz que quer ajudar a garantir que nenhuma mulher se sinta abandonada, como sua mãe biológica se sentiu. Ela afirma que, para isso, há muitos recursos e suporte disponíveis.

“Ninguém precisa andar sozinha, e todas as mulheres são fortes e capazes de ser mães com os recursos e apoio disponíveis para elas”, disse Claire, que pensa frequentemente em sua irmã gêmea perdida.

“Percebi há alguns anos que toda vez que me olho no espelho, estou olhando para minha irmã gêmea. Isso a tornou real para mim”, disse ela ao Epoch Times. “Nunca vou entender completamente o que estou perdendo, mas continuarei a falar em homenagem à minha irmã gêmea.”



Fonte: Guiame


02/02/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO