NOTÍCIAS


Frequência à igreja está abaixo do nível pré-pandemia, indica pesquisa



O fechamento obrigatório das igrejas devido à pandemia de Covid-19 fez com que os fiéis acompanhassem os cultos online. Agora, quase três anos após os bloqueios, muitos participantes ainda não retornaram, mesmo que a grande maioria das igrejas dos EUA tenha retomado os cultos presenciais.

O resultado foi divulgado pela Lifeway Research, após uma pesquisa realizada por telefone com 1.000 pastores entre 6 a 30 de setembro de 2022, usando uma amostra aleatória de uma lista de todas as igrejas protestantes no país.

Cada entrevista foi conduzida com o pastor sênior, ministro ou padre, e as respostas foram ponderadas por região e tamanho da igreja para refletir a população com mais precisão.

As descobertas refletem a situação de ministérios de todos os tamanhos, que ainda lutam para recuperar sua forma pré-pandêmica.

Segundo os pastores entrevistados, suas igrejas se reuniram pessoalmente em agosto de 2022, em comparação com 75% que relataram o mesmo em julho de 2020.

Mas enquanto as igrejas estão retomando a maioria de seus cultos presenciais, em média, os pastores dizem que a frequência em suas igrejas em agosto foi de 85% dos níveis de frequência aos domingos em janeiro de 2020.

Ainda assim, esses níveis de frequência são os mais altos em mais de dois anos.

A igreja média relatou 63% de sua frequência presencial pré-pandêmica em setembro de 2020. Em agosto de 2021, esse número subiu para 73% e saltou outros 12 pontos em 2022, de acordo com o estudo.

“Embora haja algumas exceções, podemos dizer definitivamente que as igrejas nos EUA reabriram”, disse o diretor executivo da Lifeway Research, Scott McConnell, em comunicado. “Embora as máscaras tenham começado a desaparecer rapidamente em muitos ambientes em 2022, os fiéis não reapareceram tão rápido”.

Antes da pandemia

Um estudo da Lifeway realizado no início deste ano descobriu que 34% dos cristãos disseram que iam à igreja pelo menos quatro vezes por mês antes da pandemia, em comparação com apenas 26% em abril de 2022.

“Embora alguns fiéis pré-Covid não tenham retornado à igreja, grande parte do declínio na frequência é de pessoas que vão [à igreja] com menos frequência”, disse McConnell.

Os pesquisadores dizem que a tendência também parece se manter ao longo das linhas regionais e denominacionais.

Os pastores do Centro-Oeste (26%) e do Sul (25%) têm maior probabilidade de dizer que as congregações de suas igrejas são maiores do que eram antes da pandemia, em comparação com os pastores do Nordeste (14%).

Os pastores evangélicos (29%) têm quase o dobro da probabilidade dos pastores principais (16%) de relatar o crescimento da frequência pandêmica.

Aproximadamente um terço de todos os pastores pentecostais, 30% dos pastores não denominacionais e 28% dos pastores batistas disseram que as congregações de suas igrejas cresceram desde janeiro de 2020.

Os pastores não denominacionais (14%) eram mais propensos a dizer que sua igreja ainda tem menos de 30% de frequência pré-Covid.

Declínio

A pesquisa mostra que menos igrejas estão atingindo a marca de 100 pessoas em qualquer fim de semana.

Em agosto de 2022, a maioria das igrejas protestantes americanas (68%) tinha congregações com menos de 100 – quase um terço das quais com menos de 50 pessoas.

Pouco menos de um quarto das igrejas tem congregações entre 100 e 249, enquanto apenas 8% recebem 250 pessoas ou mais por semana.

A queda de frequência ocorre porque muitas igrejas e denominações já enfrentavam um declínio no comparecimento antes da pandemia, criando dificuldades financeiras que forçaram muitos a fechar ou alterar substancialmente as formas como operam.

David Dummitt, pastor sênior da Willow Creek Community Church no subúrbio de Chicago, disse no início deste ano que sua megaigreja cortou funcionários devido ao impacto da pandemia nas doações.

“Willow tem cerca de metade do tamanho que tínhamos antes do COVID, o que está alinhado com as igrejas em todo o país. Mas, como você pode ver e imaginar, isso tem impacto fiscal”, disse Dummitt em um vídeo compartilhado em YouTube no início de maio.

Fundador e CEO da Church Answers e ex-presidente da Lifeway Christian Resources, Thom S. Rainer atribuiu a tendência pós-pandemia de congregações menores a vários fatores.

Isso inclui o hábito agora quebrado de frequência regular, membros que partiram que provavelmente não retornarão e “participantes digitais” de longo prazo que Rainer diz terem desistido completamente.

“A pandemia acelerou o ritmo para que eles desistissem”, escreveu Rainer em um artigo em maio. “Provavelmente teria acontecido de qualquer maneira.”



Fonte: Guiame


16/11/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO