NOTÍCIAS


Ex-prisioneiro da 2ª Guerra diz que sobreviveu através da oração: “Deus me sustentou”


Lloyd Ponder é um dos últimos sobreviventes que lutou na Segunda Guerra Mundial pelos EUA, com participação na batalha em Bataan nas Filipinas e última resistência na ilha rochosa de Corregidor, antes que uma ordem de rendição o obrigasse a se tornar prisioneiro do Japão Imperial. 

Aos 101 anos, ele encoraja as gerações de hoje a ver o lado positivo em todas as situações difíceis. 

Lloyd e sua esposa Joyce Ponder em janeiro de 2023. (Foto: Arquivo pessoal de Lloyd Ponder)

“Tive uma educação difícil nos campos de prisioneiros”, disse Ponder, de sua casa em Natchitoches, Louisiana. “Você pode morrer tão facilmente. No entanto, onde há determinação, e vontade de viver, você pode superar probabilidades impossíveis. Lembro-me de olhar para o céu ao entardecer e pensar: ‘Aquele pôr do sol seria tão bonito, se apenas o arame farpado não estavam lá.'”

Ponder nasceu em 12 de outubro de 1921, na Louisiana, como o primeiro de cinco irmãos. Ele se formou como orador da turma do ensino médio. Mas sem dinheiro para a faculdade, acabou se alistando no US Army Air Corps, o precursor da Força Aérea, e treinou para se tornar um mecânico de aviões. 

O sobrevivente de Bataan, Lloyd Ponder, em seu uniforme da Força Aérea. (Foto: Arquivo pessoal de Lloyd Ponder)

“Eu sempre amei aviões”, disse ele. “Com certeza poderíamos ter usado alguns em Bataan.” 

A unidade de Ponder, o 116º Esquadrão, 27º Grupo de Bombardeio, partiu para Manila no outono de 1941 e chegou uma semana antes dos ataques a Pearl Harbor.

Ele se lembra que quando a guerra estourou nas Filipinas, a maioria dos aviões foi destruída, então ele precisou lutar como soldado de infantaria. Mas as tropas aliadas estavam em menor número e sem reabastecimento. 

“Nós comemos nossos cavalos”, disse Ponder. “Pôneis pequenos eram muito bons, mas mulas eram difíceis de comer.”

Após a queda de Bataan, em 9 de abril de 1942, as tropas americanas e filipinas foram reunidas e marcharam para vários campos de prisioneiros de guerra, que ficou conhecida como Marcha da Morte de Bataan.

Nas mãos de Deus

Separado de sua unidade e febril com malária, Ponder evitou o rodeio e escapou à noite em um rebocador para Corregidor. Ele se recuperou o suficiente para lutar com os fuzileiros navais dos Estados Unidos até que a ilha caiu um mês depois. 

“Eu estava muito cansado”, disse Ponder, “mentalmente esgotado pelos contínuos bombardeios de artilharia, provavelmente no ponto mais baixo de toda a minha vida. Lembro-me de pensar: ‘Ninguém nesta terra pode me ajudar agora. Minha vida está nas mãos de Deus.'” 

Nos três anos e meio seguintes, Ponder suportou uma série de campos de prisioneiros de guerra. Ele testemunhou outros prisioneiros sendo espancados e mortos. Ele foi atingido no rosto com o salto do sapato de um guarda. Um surto recorrente de malária o perturbou intensamente. 

“A malária é uma coisa cruel”, explicou Ponder. “Mata o apetite para qualquer coisa. Mas você tem que comer para viver. Um dia, sofrendo de calafrios, me enrolei em um cobertor e sentei para comer minha ração de arroz. Um sujeito passou em busca de mais arroz. Vítimas de malária eram um excelente campo de caça. Este sujeito me lembrou um abutre, e eu decidi comer toda a minha ração. Lentamente, uma pequena mordida de cada vez, eu comi tudo. Ele se levantou, enojado, e foi embora.” 

Prisioneiro de guerra

Em julho de 1944, Ponder foi um dos 1.600 prisioneiros transferidos para o Japão a bordo do Nissyo Maru, um cargueiro enferrujado sem identificação. 

“O que vi quando cheguei ao topo da prancha e olhei para o porão me fez pensar que estava tendo um pesadelo”, lembra Ponder. “Eles continuaram amontoando mais homens lá dentro. Todo o espaço foi ocupado. Nem uma lufada de ar. Sem instalações sanitárias. Não era possível para todos nós sentarmos. Éramos uma multidão – empurrando, empurrando, gritando.”

No Japão, Ponder trabalhou sob condições brutais em uma fábrica de locomotivas. Com um metro e oitenta e cinco de altura, seu peso caiu para pouco mais de 40 quilos. 

“Não falamos de nada além de comida”, disse Ponder. “Um de nossos homens foi pego com algumas cascas de batata que arrancou de um monte de lixo. Ele foi atingido com a coronha de um rifle, espancado por guardas e chutado no rosto depois que caiu no chão.”

De volta à casa

Em 15 de agosto de 1945, diante da derrota, finalmente o Japão concordou com uma rendição incondicional. Os campos foram liberados. Na volta para casa, Ponder conseguiu ganhar peso. 

“Achei que nosso país nunca pareceu tão bonito”, disse Ponder já nos Estados Unidos.

Lloyd Ponder e sua futura esposa Joyce Wiggins, 12 de agosto de 1950. (Foto: Arquivo pessoal de Lloyd Ponder)

Após os estudos, ele se casou com sua namorada, Joyce. Eles têm dois filhos. Ponder trabalhou no sistema educacional vocacional da Louisiana, servindo seus últimos 12 anos como diretor da Natchitoches Trade School antes de se aposentar em 1980. 

Ele afirma que a maior lição que aprendeu durante a guerra foi a oração. “Adquiri o hábito de orar diariamente”, diz o idoso. “Quando tudo parecia sem esperança, tenho certeza de que Deus me sustentou.” 



Fonte: Guiame


09/01/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO