NOTÍCIAS


Estado de Iowa proíbe transições de gênero para crianças



Iowa se tornou o último estado americano a adotar medidas que proíbem a “transição” cirúrgica ou química de menores com confusão de gênero, bem como forçar os alunos a compartilhar banheiros com pessoas do sexo oposto. Isso aconteceu graças às novas leis sancionadas pela governadora republicana Kim Reynolds.

De acordo com o Des Moines Register, a governadora Reynolds aprovou dois projetos de lei do Senado de Iowa na quarta-feira: o Arquivo 538, que proíbe os médicos do estado de prescrever tratamentos de “transição” para menores de 18 anos, incluindo bloqueadores de puberdade, hormônios sexuais cruzados e cirurgias, e o Arquivo 482, que proíbe o uso de banheiros ou vestiários que não correspondam ao sexo biológico do indivíduo nas escolas.

Além disso, o segundo projeto de lei (Arquivo 482) também estabelece que as escolas devem obter o consentimento dos pais para permitir que um aluno use instalações alternativas, com o objetivo de evitar que as escolas permitam que uma criança se entregue à “confusão de gênero” sem o conhecimento de seus pais.

“Precisamos apenas fazer uma pausa, precisamos entender o que essas terapias emergentes realmente podem fazer com nossos filhos”, disse Reynolds. “Meu coração está com eles. Sou mãe, sou avó, sei como isso é difícil. Esta é uma posição extremamente desconfortável para mim. Eu não gosto disso. Mas tenho que fazer o que acredito agora ser o melhor para as crianças”.

A aprovação das leis, que foram implementadas imediatamente, ocorreu apenas um dia após o governador do Arkansas ter assinado uma legislação semelhante sobre banheiros. Além disso, um projeto de lei em Idaho ainda está aguardando a assinatura do governador.

As novas leis foram criticadas por grupos de esquerda. Cathryn Oakley, diretora legislativa estadual do grupo ativista LGBT de extrema-esquerda Human Rights Campaign, atacou a medida “transitória” e a descreveu como “ameaçando a vida”.

No entanto, as evidências sugerem que o perigo não está em restringir o acesso à transição de gênero, mas sim na promoção indiscriminada do transgenerismo.

Estudos e casos trágicos

Estudos indicam que mais de 80% das crianças que experimentam disforia de gênero superam esse sentimento por conta própria no final da adolescência.

Além disso, a cirurgia completa de “redesignação” frequentemente não resolve a tendência de indivíduos com confusão de gênero de se envolver em automutilação e suicídio, e pode até agravar esses problemas. Isso ocorre porque a cirurgia muitas vezes reforça a confusão de gênero e não aborda as verdadeiras causas do conflito mental.

Especialistas fora do estabelecimento médico alertam que a transição cirúrgica ou química reforça a confusão de gênero e impõe danos irreversíveis às crianças. Isso inclui a possibilidade de infertilidade, comprometimento da função sexual adulta e redução da expectativa de vida, além do ônus psicológico de estar “trancado” em alterações físicas, mesmo que mudem de ideia quando amadurecerem.

A história de Yaeli Martinez ilustra tragicamente essa questão. Quando ela estava no ensino médio, um conselheiro sugeriu que a “transição de gênero” poderia curar sua depressão, sem informar sua mãe. Yaeli tentou viver como homem por três anos, mas acabou se matando. Sua história destaca os perigos de se promover a transição de gênero como uma solução rápida para problemas psicológicos.

Muitos “destransicionistas”, indivíduos que tentaram viver sob uma “identidade de gênero” diferente antes de abraçar seu sexo biológico, frequentemente são ignorados.

Eles testemunham sobre os danos físicos e mentais causados pela transição de gênero, além do preconceito e negligência do estabelecimento médico em relação ao assunto. Suas histórias reforçam a importância de considerar cuidadosamente as consequências da transição de gênero, especialmente em crianças e adolescentes.

Banheiros compartilhados

Os conservadores advertem que obrigar crianças e adolescentes a compartilhar instalações íntimas, como banheiros, chuveiros ou vestiários, com pessoas do sexo oposto viola seus direitos à privacidade, além de sujeitá-los a estresse emocional desnecessário.

Além disso, essa política pode dar aos potenciais predadores masculinos uma justificativa plausível para entrar em banheiros ou vestiários femininos, simplesmente alegando ser transgênero, aumentando a vulnerabilidade das mulheres a possíveis ataques.

A situação na Virgínia exemplifica o problema, onde o ex-superintendente das Escolas Públicas do Condado de Loudoun, Scott Ziegler, foi demitido e agora enfrenta acusações por supostamente encobrir o estupro de uma aluna por um colega que se identifica como “transgênero” em um banheiro feminino. As acusações foram trazidas à tona por preocupações com as implicações prejudiciais que poderiam ter para o movimento LGBT.



Fonte: Guiame


27/03/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
ADORA TOP