NOTÍCIAS


Escola cristã nos EUA é ameaçada por identificar alunos apenas pelo “sexo biológico”



Seguindo uma política de longa data de que os alunos não participem de comportamento sexual fora do casamento, uma escola cristã particular na Flórida está sendo alvo de supostas ameaças de morte contra seus líderes e enfrentando acusações de que a escola tem como alvo estudantes gays e transgêneros.

“Se eu recuar de algo assim, estou abandonando o que Deus disse ser a verdade. Eu… meio que torço meu cérebro para pensar, ‘Como isso é difícil para as pessoas entenderem? Isso é o que Deus disse.’ Esta é uma das muitas razões pelas quais temos uma escola cristã e não vamos abandonar essa política porque Deus falou sobre essas questões”, declarou o administrador da Grace Christian School, Barry McKeen, em entrevista à Fox News Digital.

O caso tomou o noticiário sobre um e-mail que McKeen enviou à comunidade escolar no início do verão americano, destacando que os alunos serão identificados apenas por seu “sexo biológico“.

O administrador também disse que os alunos que forem encontrados “participando” em estilo de vida gay ou transgênero serão solicitados a “sair da escola imediatamente.”

“Acreditamos que Deus criou a humanidade à Sua imagem: homem e mulher, sexualmente diferentes, mas com igual dignidade”, diz o e-mail que McKeen enviou à comunidade escolar em junho, segundo a NBC News.

“Portanto, o sexo biológico de uma pessoa deve ser afirmado e nenhuma tentativa deve ser feita para mudar fisicamente, alterar ou discordar de seu gênero biológico – incluindo, mas não limitado a mudança de sexo eletiva, travestis, transgêneros ou atos fluidos de gênero não binários de conduta (Gênesis 1:26-28). Os alunos na escola serão referidos pelo gênero em sua certidão de nascimento e serão referenciados no nome da mesma forma”, continuou o e-mail.

Lembrete aos pais

O administrador disse que foi solicitado a enviar o e-mail como um lembrete aos pais de que “embora isso esteja sendo celebrado e incentivado pelo país, é condenado por Deus. E nesta escola vamos seguir a Deus em vez do homem”.

Ele acrescentou que nenhum aluno foi expulso da escola por causa de sua orientação sexual.

A mãe de uma aluna que se identifica como lésbica disse que retirou sua filha da escola após o e-mail de McKeen. Ela disse à mídia que, embora haja “professores amorosos naquela escola” e ela respeite a opinião da escola, acabou tirando a filha pelo “bem-estar” da menina.

McKeen disse à Fox News Digital que a política não é nova, e explicou que a escola tem uma “política de sexualidade humana desde o primeiro dia” de sua existência em 1975, e que essa política é comum para escolas cristãs.  

O administrador da escola disse que “nós não esperamos que nenhum de nossos alunos” seja expulso pela sexualidade.

Ameaças de morte

McKeen afirma que desde que o e-mail, destinado à comunidade escolar, foi alvo de cobertura da mídia, ele e sua família enfrentam ameaças de morte. Ele que até foi obrigado a reforçar a segurança na escola.

“É engraçado para nós… sermos pintados como odiosos. Recebemos centenas, provavelmente milhares de telefonemas quinta, sexta no fim de semana, com apenas algumas das coisas mais ultrajantes: pessoas ameaçando queimar minha casa, ameaçando matar minha família”, disse McKeen.

Ele acrescentou que a escola foi forçada a ter uma presença “massiva de aplicação da lei” e que contratou guardas de segurança armados para reforçar a proteção dos alunos contra qualquer ameaça potencial.

Apoio à política da escola

McKeen disse que, em meio à indignação de alguns, a comunidade escolar e as pessoas em todo o país apoiaram a política, com um homem doando US$ 5.000 para a escola com uma nota dizendo aos líderes da instituição para “ficarem fortes, manterem a fé”.

“Nossos pais são tão solidários. Muitos deles vieram à igreja esta manhã. Eles vão a outras igrejas normalmente, mas eles estavam aqui esta manhã para apoiar”, disse.

“[Com isso] estamos vendo um tremendo apoio de todo o país, embora tenhamos sido recebendo muitas ligações de ódio e cartas de ódio”, disse ele. Ele também observou que a escola tem atualmente uma lista de espera de mais de 100 alunos.

O administrador McKeen publicou um vídeo de resposta após a cobertura da notícia dizendo que foi solicitado que ele o fizesse porque as pessoas estavam retratando a escola como “odiosa”.

“Nós não somos um grupo de pessoas odiosas. Não odiamos estudantes que são de uma determinada orientação”, disse ele no vídeo.

Ele declarou ainda que ficou chocado que a política interna da escola tenha chegado às manchetes nacionais e argumentou que a indignação de alguns em todo o país é um indicativo de que os Estados Unidos estão se afastando de Deus e do cristianismo.

Eles estão indignados que “uma escola cristã tenha essa política?”, questionou.

McKeen retransmitiu a Fox o que disse na igreja domingo de manhã, que a indignação com a política “está apenas mostrando a você onde está nosso país. Eles não entendem Deus … ou estão o rejeitando tanto que querem lutar em todos os níveis sobre tudo o que Ele diz.”

“Talvez Deus tenha nos escolhido para este momento em particular apenas para encorajar [pessoas com a mesma opinião] que, há coisas que vale a pena defender, e vamos fazer isso”, acrescentou.



Fonte: Guiame


22/08/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO