NOTÍCIAS


Ditadores da China e da Rússia são os maiores riscos para 2023, aponta relatório


Xi Jinping e Vladimir Putin foram apontados pelo Grupo Eurasia como os “maiores riscos para 2023”. O relatório de uma das maiores empresas, que realiza pesquisas de risco político, foi divulgado na terça-feira (3).

Anualmente, o grupo reúne as previsões com maior probabilidade de ocorrer ao longo do ano. “Uma Rússia humilhada deixará de ser um jogador global para se tornar o estado desonesto mais perigoso do mundo”, disseram os especialistas.

O relatório enfatiza que Putin representa uma séria ameaça à segurança da Europa, dos Estados Unidos, entre outras regiões. “Putin tem pouco a perder com uma nova escalada contra o Ocidente e a Ucrânia, causando ainda mais sofrimento ao povo ucraniano”, avalia. 

Ameaça chinesa

De acordo com o relatório, outro grande risco será Xi Jinping. O ditador foi apontado como o líder que tem o maior controle de poder desde Mao Tsé-Tung, o fundador da República Popular da China.

“Xi está praticamente sem restrições em sua capacidade de seguir sua agenda política estatista e nacionalista. Com poucos freios e contrapesos sobrando para constrangê-lo e sem vozes dissidentes para desafiar seus pontos de vista, a capacidade de Xi de cometer grandes erros também é incomparável”, diz o relatório.

A Eurasia coloca o poder político da China como um desafio global e superestimado “dada a realidade sem precedentes de uma ditadura capitalista de estado tendo um papel tão desproporcional na economia global”.


Xi Jinping e Vladimir Putin. (Foto: Wikimedia Commons)

Outras ameaças para o mundo

O relatório aponta ainda para a inteligência artificial como um avanço tecnológico perigoso para a humanidade, já que tem comprometido a “confiança social”. Para a Eurasia, esses avanços terão efeitos políticos e econômicos.

Entre outros riscos apontados pelo relatório, depois de Rússia e China, seguem as armas de disrupção em massa (inteligência artificial entre elas), ondas de choque de inflação, a nação do Irã, a crise energética, paralisação do desenvolvimento global, divisão política nos Estados Unidos, boom do Tik Tok e a escassez de água.

Ameaça à Igreja

Estando a Rússia e a China no topo da lista dos maiores riscos para 2023, ocupando o primeiro e o segundo lugar, respectivamente, vale destacar que a Igreja de Cristo está em perigo.

Em algumas áreas da Rússia, os cristãos têm que manter a fé em segredo por medo de serem atacados e possivelmente executados. Igrejas não registradas ativas no evangelismo podem enfrentar obstruções na forma de vigilância e interrogatório pelas autoridades locais. 

Na China, a situação para a Igreja é bem pior. No país que ocupou o 17º lugar na Lista Mundial da Perseguição de 2022, muitas igrejas estão sendo fechadas e os cristãos violentamente perseguidos pelo governo. 

O Movimento Patriótico das Três Autonomias — setor do governo que regula as denominações protestantes — obrigam os pastores a inserir em suas pregações elogios ao comunismo e ao presidente Xi Jinping

Veja o modelo de pregação do socialismo chinês

De acordo com a Bitter Winter, — organização que defende a liberdade religiosa e os direitos humanos —  o modelo de sermão baseado no discurso do presidente chinês deve levar os seguintes pontos:

  1. O PCC e o presidente Xi Jinping perceberam o grande rejuvenescimento da nação chinesa.
  2. Os cristãos devem repetir frequentemente dois slogans: “Viva o grande, glorioso e justo Partido Comunista Chinês! Viva o grande, glorioso e heróico povo chinês!”
  3. As raízes e o sangue do PCC estão nas pessoas. É a festa do próprio povo.
  4. O PCC completou as “quatro grandes conquistas”: uma revolução socialista; a construção de uma sociedade socialista sob o ex-presidente Mao Tsé-Tung; uma reforma socialista sob o ex-presidente Deng Xiaoping e um socialismo com características chinesas sob o atual presidente Xi Jinping.
  5. Sob Xi Jinping, o PCC trouxe um grande e harmonioso desenvolvimento às “cinco civilizações”: material, política, espiritual, social e econômica.
  6. O PCC trouxe ao mundo os “seis valores comuns” da humanidade: paz, desenvolvimento, equidade, justiça, democracia e liberdade. 
  7. Os cristãos devem confiar no PCC, pois ele tem mais de 70 anos de experiência em governar o país com sucesso. 
  8. Os cristãos devem se unir ao PCC dizendo às potências hostis estrangeiras que “a era em que a nação chinesa era massacrada e intimidada acabou para sempre!
  9. Os cristãos devem apoiar os líderes do PCC, já que “somente o socialismo pode salvar a China”. 

Se os cristãos na China já vivem essa realidade, já é possível prever o que a Igreja deve esperar para 2023, com a nação sendo apontada como um dos maiores riscos para o mundo. Lembrando que a Rússia e a China estão de mãos dadas nesse cenário. 



Fonte: Guiame


06/01/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO