NOTÍCIAS


Disforia de gênero: Pediatras dos EUA pedem que saúde siga ciência e não ideologia



Um grupo de pediatras americanos está apelando às instituições médicas dos EUA a priorizarem a ciência em vez da ideologia no cuidado de crianças transgênero.

Nos últimos meses, muitos médicos têm lamentado e expressaram preocupação com a politização de questões de saúde e saúde mental, onde vozes que apontam para fatos científicos ou clamam por investigação rigorosa têm sido silenciadas.

Uma pesquisa global relatada pela Statista em maio mostrou que apenas três por cento dos entrevistados se identificaram como transgêneros em 30 países em 2023.

Esses dados mais recentes também se referem àqueles que se descrevem como “não binários, não conformes, fluidos de gênero, ou de outra forma.”

No entanto, de acordo com a JAMA Network, a cirurgia de afirmação de gênero triplicou nos EUA entre 2016 e 2019.

Entre 2017 e 2021, a Komodo, contratada pela Reuters, descobriu que diagnósticos de disforia de gênero triplicaram para 42.000 crianças e adolescentes.

Preocupações

A Sociedade Europeia de Endocrinologia Pediátrica e a Sociedade de Endocrinologia Pediátrica também examinaram dados de 25 centros nos EUA, América do Sul e Europa, encontrando um aumento nas referências de 2014 a 2017.

Os médicos pediatras em todo o mundo, tanto cristãos quanto outros, expressaram preocupações públicas generalizadas sobre essa questão urgente.

A Academia Europeia de Pediatria (EAP) apresentou uma conduta cautelosa, ao emitir uma declaração em fevereiro deste ano sobre “a gestão clínica de crianças e adolescentes com disforia de gênero”.

Mas defendeu uma abordagem de direitos, baseada nas necessidades individuais da criança, mas enfatizou a necessidade urgente de pesquisa. Enquanto isso, as crianças e os pais devem receber apoio e cuidados adequados até que essas questões sejam resolvidas.

“Um programa de pesquisa internacional para definir o tratamento e os resultados ideais, baseado em observação meticulosa e estudos comparativos, deve ser urgentemente financiado e realizado”, dizia a declaração da EAP. “Enquanto isso, crianças e pais devem receber apoio e cuidados adequados enquanto as questões são resolvidas.”

Cuidados inadequados

A clínica de gênero Tavistock, em Londres, tornou-se um exemplo de cuidados inadequados. Antes de fechar em julho de 2022, números oficiais mostram que 382 crianças, incluindo 70 com três ou quatro anos, foram encaminhadas para lá.

“Um programa de pesquisa internacional para definir o tratamento e os resultados ideais, baseado em observação meticulosa e estudos comparativos, deve ser urgentemente financiado e realizado”, dizia a declaração da EAP. “Enquanto isso, crianças e pais devem receber apoio e cuidados adequados enquanto as questões são resolvidas.”

A Cass Review, conduzida pela Dr. Hilary Cass, concluiu que os serviços da clínica Tavistock, incluindo a administração de bloqueadores de puberdade, não eram “seguros ou viáveis”.

A Cass Review descobriu que os profissionais de saúde internacionais relataram que os adolescentes têm “apresentações mais complexas” e maiores necessidades psicossociais e de saúde mental, além de diagnósticos adicionais de TEA e/ou TDAH.

Os dados também mostraram que “as taxas de depressão, ansiedade e distúrbios alimentares foram mais elevadas na população encaminhada para a clínica de gênero do que na população em geral”.

“É amplamente aceite que a exposição à sexualidade ocorre numa idade mais jovem”, acrescentou Cass no relatório. “O impacto disto na compreensão dos jovens sobre a sua sexualidade e/ou identidade de gênero não é claro.”

A realidade é que, para os jovens, diferentes influências socioculturais impactam sua compreensão tanto de identidade de gênero quanto de identidade sexual, opinou Cass.

E acrescentando: “e esta é uma área que merece melhor exploração e compreensão.”

Jovens superam disforia

Em 17 de junho, o Instituto Central do Seguro de Saúde Estatutário da Alemanha divulgou resultados mostrando que dois em cada três jovens diagnosticados com disforia de gênero superam a condição em até cinco anos.

Entretanto, as cirurgias prejudiciais em crianças com disforia de gênero devem parar imediatamente, de acordo com o Colégio Americano de Pediatras (ACPeds).

Em 6 de junho, o ACPeds assinou uma declaração conjunta com outros grupos médicos e indivíduos preocupados, que se opõem a essa prática.

A Declaração dos “Médicos que Protegem as Crianças”, elaborada pelo ACPeds, afirmava que as evidências científicas mostram claramente que crianças correm risco de danos graves devido a intervenções cirúrgicas desnecessárias, além do uso de bloqueadores de puberdade e tratamentos hormonais cruzados.

Os especialistas afirmaram que essas intervenções demonstraram ser ineficazes na melhoria da saúde, física e mental, de adolescentes com disforia de gênero. 

Declaração conjunta

A declaração conclama “a Academia Americana de Pediatria, a Sociedade Endócrina, a Sociedade Endócrina Pediátrica, a Associação Médica Americana, a Associação Americana de Psicologia e a Academia Americana de Psiquiatria Infantil e Adolescente a aderirem à pesquisa baseada em evidências e a utilizarem avaliações abrangentes e terapias para jovens com disforia de gênero.”

“É hora de essas instituições médicas americanas seguirem a ciência e o exemplo de nossos colegas profissionais europeus, e pararem de promover protocolos que prejudicam as crianças, incluindo a promoção de afirmação social, bloqueadores de puberdade, hormônios cruzados e cirurgias para crianças e adolescentes que experimentam angústia em relação ao seu sexo biológico”, disse a Dra. Jill Simons, pediatra e Diretora Executiva do ACPeds.

O colunista Michael Deacon, do The Telegraph, abordou recentemente as respostas culturais aos direitos trans. Ele destacou que o ex-primeiro-ministro Tony Blair se sentiu compelido a declarar publicamente que homens têm pênis e mulheres têm vaginas. Deacon comentou que é comum políticos no Ocidente expressarem suas opiniões sobre biologia básica.

“Figuras políticas de alto escalão são constantemente questionadas, com seriedade, se mulheres têm pênis e homens têm vaginas. Isso não é considerado surreal, nem mesmo ligeiramente incomum. Tornou-se tão corriqueiro quanto perguntar sobre impostos, imigração ou listas de espera do NHS [Serviço Nacional de Saúde]. E quando – como fez Sir Tony Blair ontem – uma figura política de destaque confirma que compreende os fundamentos da biologia humana, isso vira manchete e é considerado extremamente controverso.”

“Toda essa situação é uma lição sobre a rapidez e a dramaticidade com que a sociedade pode mudar. Atualmente, uma ideia pode passar de extrema a convencional em pouquíssimo tempo. Ou, se não se tornar convencional, pelo menos prevalece entre as pessoas que decidem o que o resto de nós pode dizer e pensar.”

Outras organizações de saúde dos EUA que assinaram a declaração do ACPeds neste mês incluíram a Alliance for Hippocratic Medicine (AHM), American Association of Christian Counselors (AACC), American College of Family Medicine (ACFM), Association of American Physicians and Surgeons (AAPS), Catholic Health Care Leadership Alliance (CHCLA), Catholic Medical Association (CMA), Child & Parental Rights Campaign (CPRC), Christian Medical & Dental Associations (CMDA), Coalition of Jewish Values, Colorado Principled Physicians, Genspect, Honey Lake Clinic, National Association of Catholic Nurses, National Catholic Bioethics Center (NCBC) e North Carolina Physicians For Freedom (NCPFF).

Cerca de 100 médicos pediatras, enfermeiros, psicoterapeutas e outros profissionais de saúde também assinaram a declaração.



FONTE: GUIAME


27/06/2024 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @HTTPS://WWW.INSTAGRAM.COM/OFICIALDESTAKGOSPEL/

NO AR:
- DESTAK GOSPEL