NOTÍCIAS


Dar e receber



Depois de uma porção inteira repleta de mandamentos sobre a obrigação do homem para com seu próximo, a Torah se concentra em um aspecto muito espiritual de nossa existência. Hashem ordena que Sua nação construa um Tabernáculo no qual Ele habitaria figurativamente. Assim, a Torah começa a porção desta semana com um dos pilares da vida judaica – o apelo.

A Torah instrui a nação judaica a contribuir com ouro, prata e uma variedade de outros materiais para a grande causa de erguer e mobiliar um Mishkan (Tabernáculo). No entanto, o apelo é redigido de forma muito estranha. Hashem não pede ao povo para dar; ele pede que eles tomem. Êxodo 25:2: “Fala aos filhos de Israel e que tomem uma porção para mim.” A questão é óbvia. Por que a Torah diz ao povo para pegar uma porção quando, em essência, eles estão dando uma porção? Qual é a mensagem por trás da anomalia semântica?

Max e Irving foram pescar em uma tarde nublada. Cerca de duas horas em sua expedição, uma forte tempestade se desenvolveu. Seu pequeno barco a remo balançou e balançou e finalmente virou no meio do lago. Max, um nadador forte, lutou para salvar Irving, mas sem sucesso. Irving não respondeu a nenhum apelo e infelizmente se afogou. Max nadou até a praia para dar a terrível notícia à pobre esposa de Irving.

“O que aconteceu?”, ela gritou. “Conte-me a história toda!”

Max contou todo o episódio em detalhes.

“Mas o que você fez para tentar salvar meu Irving?”, ela gritou. Max explicou mais uma vez. “Eu continuei gritando para seu marido: ‘Irving, me dê sua mão – me dê sua mão – me dê sua mão! Mas Irving apenas me deu um olhar vazio e se afastou”.

“Seu idiota!”, gritou a viúva. “Você disse a coisa errada. Você deveria ter dito: ‘Pegue minha mão’. Irving nunca deu nada a ninguém!”

Muitas vezes cometemos o mesmo erro que Irving cometeu. Quando ouvimos a palavra “dar”, recuamos.

Em sua primeira solicitação, a Torah está nos ensinando uma lição. Quando você dá com o coração verdadeiro, você não está dando nada. Você está tomando uma parte para si mesmo. Os prazeres materialistas aos quais muitas pessoas se entregam acabam sendo digeridos e esquecidos. Os carros novos tornam-se velhos, as casas gloriosas caem em desuso e os aparelhos mais novos ficam obsoletos. Os únicos itens que permanecem são aqueles que damos. Eles permanecem em um depósito de méritos e eventualmente retribuirão a nós e a nossos descendentes. Os Montefiores e os Rothschilds não são sempre apreciados pela opulência e indulgência. Eles são lembrados por sua grande benevolência e caridade. Eles não deram apenas para a eternidade. Eles receberam para a eternidade também.

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: Um lugar sagrado



Fonte: Guiame


28/02/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
LOUVOR MANIA