NOTÍCIAS


Cristianismo sob ataque: mais de 400 igrejas foram alvo de atos hostis nos EUA


Igrejas americanas enfrentam uma série de ataques, com pelo menos 420 atos de hostilidade sendo verificados nos últimos cinco anos, com 57 deles entre janeiro e setembro de 2022 sendo relacionados ao aborto, sugere relatório.

O novo relatório do Family Research Council, uma organização ativista cristã conservadora com sede em Washington, analisa dados disponíveis publicamente entre janeiro de 2018 e setembro de 2022 para documentar atos de hostilidade direcionados a 397 igrejas individuais em 45 estados dos EUA e na capital Washington.

Vandalismo, incêndio criminoso, incidentes relacionados a armas e ameaças de bomba são alguns dos atos verificados. O relatório conclui que a gravidade e a frequência de tais ataques podem potencialmente intimidar a comunidade cristã.

O grupo recebeu uma carta do coletivo pró-aborto Jane’s Revenge. (Foto: Twitter/ Kristan Hawkins/GoogleMaps).

“Há ampla razão para se preocupar com a crescente hostilidade ao cristianismo por parte de uma cultura ocidental que cada vez mais rejeita os valores judaico-cristãos”, diz o relatório, escrito por Arielle Del Turco, diretora assistente do Centro de Liberdade Religiosa da FRC.

Segundo o relatório, em 2018 houve 50 incidentes de hostilidade contra igrejas. Em 2019, o número aumentou para 83 e caiu para 54 em 2020, provavelmente devido a restrições e uma diminuição geral no movimento durante o auge da pandemia.

Incêndios criminosos

Em 2021, houve 96 incidentes de hostilidade contra igrejas; e entre janeiro e setembro de 2022, foram 137.

Um exemplo foi em março de 2022, quando o prédio da Main Street Baptist Church em Bartow, na Flórida, foi destruído em um incêndio criminoso. A Journey Church of Sonora, na Califórnia, também foi destruída da mesma forma.

Em julho, incêndios começaram em duas igrejas em um subúrbio de Maryland, em Washington, DC – North Bethesda United Methodist Church e Saint Jane Frances de Chantal Catholic Church. Também localizada no condado de Montgomery, uma terceira igreja próxima, a Igreja Batista Wildwood de Bethesda, foi vandalizada.

Segundo o relatório, os estados com maior população tendem a relatar mais incidentes.

Ativistas perturbaram culto na Lakewood Church, no Texas. (Foto: Instagram/RiseUp4Abortion)

A Califórnia teve 51 incidentes, o maior número, seguida pelo Texas com 33 incidentes, Nova York com 31 e Flórida com 23. Delaware, Montana, Nebraska, New Hampshire e Vermont foram os únicos estados dos EUA sem incidentes conhecidos durante o período do relatório.

“Atos criminosos de vandalismo e destruição de propriedade da igreja provavelmente são sintomáticos de um colapso na reverência social e no respeito pelas casas de culto e religião – neste caso, igrejas e o cristianismo”, escreveu Del Turco no relatório.

“Os americanos parecem cada vez mais à vontade atacando os prédios da igreja, apontando para um problema social maior de marginalizar as crenças cristãs centrais, incluindo aquelas que tocam em questões políticas polêmicas relacionadas à dignidade e sexualidade humanas”.

Vandalismo pró-aborto

Quando o rascunho da decisão da Suprema Corte dos EUA indicava a derrubada do direito nacional ao aborto, as igrejas viram um aumento nos incidentes de vandalismo e grafite com mensagens pró-aborto e manifestantes interrompendo os cultos nas igrejas.

Essa tendência continuou desde que a decisão de Dobbs foi proferida e Roe v. Wade foi anulado em 24 de junho. Pelo menos 57 incidentes de janeiro de 2022 a setembro de 2022 foram diretamente ligados a protestos pró-aborto ou continham mensagens pró-aborto, diz o relatório, acrescentando que apenas cinco incidentes entre 2019 e 2021 foram relacionados ao aborto.

Protesto perante a Suprema Corte em 24 de junho de 2022, Roe v. Wade. (Foto: Reprodução / Wikipedia)

A Victory Bible Church em Lawrence, Kansas, foi “vandalizada durante a noite com mensagens se opondo à emenda constitucional sobre o aborto” em 1º de agosto.

Atos intimidantes

Para os fiéis e lideranças, tais atos de hostilidade contra suas igrejas podem ser “intimidantes”, afirma o FRC.

“Atos de hostilidade contra as igrejas enviam a mensagem de que as igrejas não são desejadas na comunidade ou respeitadas em geral”, escreveu Del Turco. “Isso pode fazer com que os fiéis ou líderes da igreja se sintam inseguros. Em alguns casos, o objetivo da hostilidade é interromper o trabalho normal da igreja.”

O Christian Post publicou uma lista de igrejas e centros de gravidez pró-vida vandalizados ou atacados após o julgamento de Dobbs em junho e outra lista de igrejas e grupos pró-vida visados ​​após o rascunho da decisão vazar em maio.

Em uma postagem no Facebook de 22 de agosto, o Alpha Pregnancy Care Center de Albany, em Nova York, compartilhou uma foto de pichações pró-aborto feitas com spray nas paredes externas de sua localização em Schenectady. O grafite incluía as frases “falsa clínica”, “parar o parto forçado” e “Jane’s Revenge” (A vingança de Jane, em tradução livre).

Europa

Os defensores dizem que a animosidade contra as igrejas também é um problema na Europa.

Fachada de igreja pichada, na Finlândia. (Foto: Reprodução / Creative Commons)

No mês passado, um relatório do Observatório de Intolerância e Discriminação contra Cristãos na Europa mostrou que pelo menos 519 crimes de ódio anticristãos ocorreram no continente em 2021, uma queda significativa em relação aos quase 1.000 ocorridos no ano anterior.

O Relatório Anual de 2021 do grupo com sede na Áustria detalhou “casos de intolerância e discriminação contra cristãos na Europa” de 1º de janeiro de 2021 a 31 de dezembro de 2021.



Fonte: Guiame


20/12/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO