NOTÍCIAS


Controle absoluto



Esta semana começamos o Livro de Levítico, o terceiro Livro do Pentateuco que trata principalmente das leis dos kohanim e do serviço sacrificial no Santuário sagrado. Embora este boletim semanal seja muito breve e superficial para expor o significado profundo e difícil dos sacrifícios, há claramente muitas lições que podem ser aprendidas de muitas das nuances e expressões que a Torah usa para descrever as oferendas.

É interessante notar as variadas expressões relativas aos korban chatat, a oferta pelo pecado. A Torah discute uma variedade de indivíduos que infelizmente pecam. Eles devem trazer um korban chatat ou asham como oferta pelo pecado. Ao descrever a infeliz incidência do pecado, a Torah não usa uma palavra definitiva para descrever a circunstância que causou a necessidade de penitência. Em vez disso, fala sobre a circunstância em termos de incerteza esperançosa: “Se um indivíduo dentre o povo da terra pecar sem intenção” (Lv 4:27); “Se o Kohen ungido pecar, trazendo culpa sobre o povo” (Lv 4:3); “Se toda a assembleia de Israel errar, e um assunto se tornar obscuro aos olhos da congregação” (Lv 4:13).

No entanto, ao se referir ao nasi, o governante ou príncipe da nação, a Torah não escolhe as palavras provisórias ki ou im, que denotam uma incerteza, mas sim a definitiva, asher. “Quando um governante peca e transgride um de todos os mandamentos de Hashem que não pode ser feito sem intenção – e se torna culpado”.

Por que, quando se trata do governante, a Torah usa o termo definitivo, quando o governante peca, mas, ao se referir aos pecados do homem comum, kohen, ou mesmo de toda a assembleia, usa as palavras provisórias, “se eles pecarem”? Em segundo lugar, o versículo parece ter uma sintaxe estranha. Em vez de declarar “quando um governante peca e comete um dentre todos os mandamentos de Hashem que não pode ser feito involuntariamente e se torna culpado”, a Torah deve usar gramática e estado adequados: “Quando um governante peca involuntariamente e quebra um dentre todos os mandamentos de Hashem que não podem ser feitos e se torna culpado.”

Pela estranha justaposição, parece que o governante transgrediu um crime tão flagrante que as pessoas nem transgridem sem querer. Isso pode ser?

Charles Maurice de Talleyrand, o ministro das Relações Exteriores da França sob Napoleão, levou uma vida complexa. Manco quando criança, excomungado pelo papa, partidário dos revolucionários franceses, refugiou-se na Inglaterra e depois nos incipientes Estados Unidos. Ele finalmente subiu ao poder quando foi nomeado ministro das Relações Exteriores da França em 1797.

Depois daqueles anos tumultuados, era de se esperar que a nomeação tivesse gerado cautela e humilde responsabilidade. Este não era o caso. Ao receber a notícia de que foi nomeado ministro das Relações Exteriores, ele voou em transportes de alegria. De acordo com Gerald Tomlinson, em sua preparação ele cantou repetidamente para seu amigo. “Agora sou ministro das Relações Exteriores! Ministro de relações exteriores! Farei uma fortuna imensa com isso! Verdadeiramente uma imensa fortuna!”

O rabino Naftali Zvi Yehuda Berlin explica que a Torah faz previsões prescientes sobre a ascensão de um governante ao poder. Infelizmente, a questão muitas vezes não é se um governante vai errar, mas sim quando. E assim a Torah usa uma expressão definitiva “quando o governante pecar”. E o tipo de delito também é aludido.

Existem certas infrações que podemos ignorar acidentalmente e outras que não cometeríamos, mesmo nas circunstâncias mais terríveis. No entanto, a Torah nos diz que “quando o governante pecar” é possível que o tipo de pecado não seja uma mera infração de um crime menor, mas também pode ser um pecado tão hediondo que é o tipo de erro que “não seria (mesmo) feito sem intenção.”

E assim a Torah esclarece para nós aquele velho ditado que ficou famoso pelo Lord Acton da Grã-Bretanha, que em uma carta ao Bispo Mandell Creighton, em 1887, afirmou: “O poder tende a corromper. O poder absoluto corrompe absolutamente!”

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia o artigo anterior: O fogo contínuo



Fonte: Guiame


10/04/2023 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
CONECTADOS COM DEUS