NOTÍCIAS


Chanucá: o óleo da alegria para os pobres de espírito



“Direi aos presos: ‘Saiam em liberdade’, e aos que estão nas trevas: ‘Venham para a luz‘” (Is 49:9).

O “Festival de Dedicação” de oito dias conhecido como Chanucá, tem início na noite de 25 Kislev.

Chanucá significa “dedicação”.

Este maravilhoso feriado comemora a rededicação do Templo Judeu pelos Hasmoneus, também conhecidos como a família dos Macabeus, e a milagrosa multiplicação do suprimento de óleo de um único dia durando oito dias inteiros no processo dessa rededicação.

O primeiro Chanucá no dia 25 de Kislev em 164 aC anunciou a libertação do domínio grego, a purificação de Jerusalém da influência pagã e a restauração da Casa de D-us – o Templo em Jerusalém.

Com o Templo reconquistado dos gregos e restaurado recentemente, a família de Judá Macabeu restabeleceu o festival de outono de sete dias de Sucot (a Festa dos Tabernáculos) e o dia extra de Simchat Torah (Alegria na Torah, que conclui o ciclo anual daas Parashiot). O governante grego Antíoco IV proibiu sua observância no início do ano, então, quando o Templo foi recapturado em dezembro, eles celebraram esse festival de oito dias.

Como resultado, a guarda da Torah mais uma vez começou livremente. Chanucá, portanto, representa a capacidade renovada de estudar a Torah, que é comparada à luz.

A escuridão desce sobre Israel

“Não se vanglorie de mim, meu inimigo! Embora eu tenha caído, eu irei subir. Embora eu me sente nas trevas, o Senhor será minha luz” (Mq 7:8).

O Império Grego subiu ao poder sob Alexandre, o Grande, depois que Judá serviu como estado vassalo da Pérsia por dois séculos. Após a morte de Alexandre, o estado de Judá seria atacado por dois generais de Alexandre sete vezes.

Enquanto isso, colidindo fortemente com a santidade única da religião hebraica, a cultura pagã dos gregos era extremamente ofensiva: luta livre, roupas indecentes e uma preferência pela homossexualidade, escreve Richard Hooker em The Hebrews: A Learning Module.

No entanto, enquanto os gregos influenciaram a língua e a cultura de Jerusalém e do estado de Judá (Judéia), “eles permitiram que os judeus governassem seu próprio país, declararam que a lei de Judá era a Torah e tentaram preservar a religião judaica,” escreve Hooker. Foi esse o caso, a princípio.

Dois monarcas gregos, Ptolomeu e Seleuco, lutaram pela Judéia até 198 aC, quando Antíoco III, um grego selêucida, ganhou o prêmio. Ele permitiu a autonomia dos judeus até que “uma derrota dolorosa nas mãos dos romanos deu início a um programa de helenização que ameaçava forçar os judeus a abandonar seu monoteísmo pelo paganismo dos gregos”, escreve Mitchell G. Bard em The Complete Idiot’s Guide to Middle East Conflict.

Depois que Antíoco III levantou ídolos no Templo Judeu, os judeus se rebelaram, forçando os gregos a recuar. No entanto, Antíoco IV assumiu o trono em 176 aC e não acomodou os costumes judaicos como seu pai. O filho proibiu a observância do Shabat, bem como o pacto da circuncisão, e realizou uma campanha cruel contra o povo de D-us.

Antíoco IV deu a si mesmo o sobrenome “Epifânio” (que significa “o deus visível”) e destruiu todas as cópias das Escrituras que pôde encontrar, vendendo milhares de famílias judias como escravas e assassinando qualquer um que tivesse um rolo das Escrituras em sua posse.

Antíoco IV profanou o Templo Judeu ao oferecer um porco em seu altar, ergueu um altar a Júpiter e proibiu os judeus de adorar no Templo.

Mas o alcance dessa contaminação estendeu-se além do Templo.

“Mulheres que insistiam para que seus filhos fossem circuncidados foram mortas junto com seus bebês. As noivas eram forçadas a dormir com oficiais gregos antes que pudessem ficar com seus maridos. Os judeus eram obrigados a comer carne de porco e sacrificar porcos aos deuses gregos. O ensino da Torah se tornou um crime capital”, escreve o Rabino Shimon Apisdorf em um blog da Torah.

Embora uma grande escuridão tivesse caído sobre Judá e Jerusalém, “a maioria dos judeus fez de tudo para permanecer judia”, acrescenta Apisdorf, incluindo o estudo das Escrituras e o casamento em segredo.

A Ascensão da Justiça

“Fique firme então, com o cinto da verdade afivelado em sua cintura, com a couraça da justiça no lugar” (Ef 6:14).

Os hasmoneus eram uma família judia com uma vocação aparentemente impossível: defender a justiça sob o peso de um opressor tentando erradicar sua identidade, bem como esvaziar o Templo de seu propósito sagrado – e de sua luz eterna.

O chefe da família, Mattisyahu (Mattathias), servia como sacerdote no Templo de D-us em 167 aC, quando um oficial grego tentou forçá-lo a se sacrificar a um deus pagão. Mattisyahu resistiu e matou o oficial, o que desencadeou represálias de Antíoco IV contra os judeus.

No entanto, Mattisyahu – e depois de sua morte, Judá, um de seus cinco filhos – assumiu o comando da luta contra os gregos pagãos e ganhou o nome de Macabeu (possivelmente martelo em hebraico) por causa de seus golpes de martelo contra seus inimigos.

Três anos após a revolta dos macabeus, em 164 aC, os hasmoneus retomaram Jerusalém e purificaram o templo.

Demorou mais 20 anos antes que os hasmoneus expulsassem os gregos selêucidas da Terra de Israel com a derrota da cidadela de Acra, uma fortaleza descoberta em 2015 (após uma década de escavações) fora das muralhas da Cidade Velha de Jerusalém.

Que muitos foram derrotados por poucos é anunciado como o principal milagre de Chanucá: Judá e os Hasmoneus conseguiram derrotar os gregos pagãos que haviam profanado ofensivamente o Templo de D-us, a Cidade Santa de Jerusalém e a Terra Santa dada a Israel.

Os macabeus serviram como uma luz que afastou a escuridão; pela fé, sua “fraqueza se transformou em força; e [eles] se tornaram poderosos na batalha e derrotaram exércitos estrangeiros” (Hb 11:34).

Enquanto os gregos devastaram a comunidade judaica na época, eles não tiveram sucesso em destruir a convicção dos Hasmoneanos de adorar somente o D-us de Israel.

E enquanto os gregos profanaram o Templo Judeu, eles não tiveram sucesso em erradicar seu meio de purificação – o óleo.

Apesar dos altares pagãos dentro dela e dos animais impuros que eram oferecidos aos ídolos no solo sagrado do Templo, o óleo puro que durava um dia permaneceu escondido no terreno do Templo com seu selo intacto.

Este jarro de óleo, santificado ao D-us de Israel, ajudaria a repelir as trevas espirituais que haviam dominado o Templo.

E embora tenha sido o suficiente para um único dia, queimou milagrosamente por oito dias inteiros. No último dia, os judeus haviam preparado óleo santificado suficiente para manter a luz brilhando perpetuamente.

Deixe sua luz brilhar

“Abra seus olhos e converta-os das trevas para a luz, e do poder de Satanás para ir, para que recebam o perdão dos pecados e um lugar entre os que são santificados pela fé em Mim” (At 26:18).

Durante os anos de Seu ministério, Ieshua caminhou pelos tribunais do templo durante o Chanucá, o Festival da Dedicação, e disse aos que estavam reunidos ao seu redor: “As obras que faço em nome de meu Pai testificam de mim” (Jo 10:25).

Ieshua apontou Seus próprios atos, que foram todos bons, como um testemunho de Sua identidade e do caráter de Seu Pai.

No contexto do Festival das Luzes, outro nome para Chanucá, Ieshua pode ter tido em mente Seu Sermão da Montanha, onde disse: “Da mesma forma, deixe sua luz brilhar diante dos outros, para que vejam suas boas ações e glorifique seu Pai no céu” (Mt 5:16).

O termo “boas ações” é idiomático para os mandamentos da Torah.

 

Ieshua disse a Seus discípulos que se eles guardassem os mandamentos da Torah de acordo com Seu ensino, eles reteriam seu sal e sua luz brilharia diante dos homens e honraria a D-us.

O meio-irmão de Ieshua, Ia´aqov, elaborou este ponto, dizendo que “a fé por si mesma, se não for acompanhada pela ação, está morta” (Tg 2:17).

Boas ações feitas por aqueles fiéis a D-us permitem que Seu Espírito brilhe de dentro deles, ilustrando “a luz do mundo” e dando glória ao Nome de Adonai.

Para o Festival das Luzes, esta imagem da luz de D-us brilhando através de Seu povo é enfatizada ainda mais pela observação dos componentes básicos do fogo – uma faísca e uma fonte de combustível – bem como pela contemplação de que o próprio D-us fornece nossa Luz Espiritual e Óleo.

O óleo é considerado um símbolo do Ruach HaKodesh (Espírito o Santo). Ele teve um papel importante na vida judaica por milênios como meio de unção. No Judaísmo, a unção era realizada para a realeza, para o sacerdócio, para os profetas, para a cura dos enfermos e para a purificação.

Onde a unção santificou os sacerdotes e tratou os enfermos, “unção conferida ao rei ‘o Espírito do Senhor’, [isto é], Seu apoio (I Sm 16:13-14), força (Sl 89:21 –25) e sabedoria (Is 11:1–4)”, declara a Enciclopédia Judaica. 

Do Messias (Ungido) por vir, o profeta Isaías anunciou, “O Espírito do IHVH repousará sobre ele – o Espírito de sabedoria e de entendimento, espírito de conselho e de fortaleza, espírito de conhecimento e de temor do IHVH” (Is 11:1-2).

O Messias Ieshua anunciou sua unção em uma sinagoga em Nazaré quando leu o livro de Isaías: “O Espírito do IHVH está sobre mim, porque Ele me ungiu para proclamar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar a liberdade aos prisioneiros e a recuperação da visão aos cegos, para libertar os oprimidos, para proclamar o ano da graça do IHVH” (Lc 4:18–19; ver também Is 61:1–2).

A luz do Messias brilhou ao longo de Sua vida e continuou a brilhar, mesmo quando confrontado com as trevas da morte. A morte não pôde prendê-Lo e extinguir Sua luz.

“Nele estava a vida, e essa vida era a luz de toda a humanidade. A luz brilha nas trevas, e as trevas ainda não a venceram” (Jo 1:4-5).   

Com o óleo do Ruach Adonai sobre e dentro Dele, o Messias é uma Luz Eterna. Por viver Sua unção, Ele trouxe “uma coroa de beleza”, “o óleo da alegria” e “uma veste de louvor” aos enlutados de Sião.

Como Isaías profetizou, os pobres, os de coração partido, os cativos, os prisioneiros nas trevas, os enlutados e os enlutados de Sião – tendo recebido a liberdade e o favor do Senhor “reconstruirão as antigas ruínas e restaurarão os lugares há muito devastados” (Is 61:1-4).

Assim como prometido, por meio do Messias aqueles cobertos de cinzas e um espírito de desespero receberiam o óleo da alegria e “seriam chamados de carvalhos da justiça, uma plantação do IHVH para a exibição de Seu esplendor” (Is 61:3).

Por meio da obra vivificante de Adonai, os antes devastados filhos de D-us seriam reativados para reconstruir as antigas ruínas e renovar as cidades em ruínas; Seu povo seria como um carvalho de justiça para “a exibição de Seu esplendor”, um chamado que irradia luz.

Óleo milagroso para os pobres de espírito

Tendo vindo “para trazer boas novas aos pobres”, Ieshua disse no Sermão da Montanha: “Bem-aventurados os pobres de espírito, porque deles é o Reino dos Céus” (Mt 5:3).

Ser espiritualmente pobre é reconhecer como somos destituídos e necessitados da grande misericórdia e bondade de D-us.

Essa pobreza espiritual se reflete no único frasco de óleo encontrado no Templo recapturado. Enquanto suportava a indizível escuridão da opressão grega, aquele frasco não continha óleo suficiente para cumprir seu propósito na Casa de D-us de manter a Menorá acesa enquanto mais óleo era feito.

Somente com um milagre esse óleo poderia ser multiplicado, e foi necessária a intervenção do próprio D-us.

No Templo, o Todo-Poderoso interveio para fazer o frasco de óleo durar por oito dias inteiros – como se adicionasse o óleo de Seu Espírito para santificar e renovar o Templo devastado.

Da mesma forma, quando somos pobres de espírito, reconhecendo humildemente nossa confiança em D-us, podemos louvá-Lo por santificar e renovar nosso espírito com o Seu, como Davi fez quando escreveu: “Unges minha cabeça com óleo; meu copo transborda” (Sl 23:5).

Tradução: Mário Moreno.

Por Rav. Mário Moreno, fundador e líder do Ministério Profético Shema Israel e da Congregação Judaico Messiânica Shema Israel na cidade de Votorantim. Escritor, autor de diversas obras, tradutor da Brit Hadasha – Novo Testamento e conferencista atuando na área de Restauração da Noiva.

*O conteúdo do texto acima é de colaboração voluntária, seu teor é de total responsabilidade do autor e não reflete necessariamente a opinião do Portal Guiame.

Leia no artigo anterior: Alimento da alma: A bênção de Isaque



Fonte: Guiame


16/12/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO