NOTÍCIAS


Basta ser cristão para te prender no Irã, diz relatório do governo britânico



O governo britânico divulgou um novo relatório que detalha que a perseguição violenta sobre a população minoritária cristã continua inabalável na República Islâmica do Irã.

“Simplesmente ser cristão é suficiente para que você seja preso” no país de maioria muçulmana, observou o estudo do Reino Unido sobre cristãos e cristãos convertidos no Irã.

O relatório disse que “muitas prisões ocorreram durante batidas policiais em reuniões religiosas” e que “os cristãos, particularmente evangélicos e convertidos do Islã, continuaram a experimentar níveis desproporcionais de prisão e detenção”.

O estudo foi publicado no final do mês passado, detalhando os graves maus-tratos aos cristãos iranianos, que compõem entre 500.000 e 800.000 pessoas de uma população total estimada de 86,7 milhões em 2022. Outras estimativas dizem que o número de cristãos iranianos pode ultrapassar 1 milhão, observou o estudo.

Segundo o relatório, 99,6% da população do Irã se identifica como muçulmana, sendo o Islã Twelver Ja’afari Shia classificado pelo governo do país como religião estatal.

Perseguição e direitos humanos

Quando perguntado sobre o que os EUA e outras potências mundiais podem fazer em relação à repressão aos cristãos iranianos, Mansour Borji, que é diretor da ONG de liberdade religiosa Article 18, escreveu em um e-mail para a Fox News Digital:

“Acreditamos que os líderes do mundo podem desempenhar um papel positivo em ajudar as comunidades religiosas perseguidas e acabar com o apartheid religioso no Irã. Uma das medidas efetivas que os governos ocidentais podem tomar para ajudar são sanções contra os oligarcas iranianos e suas famílias que estão perto do regime, vivendo no exterior, bloqueando seus ativos, impondo proibições de viagem contra eles.”

Borji, que se converteu do islamismo ao cristianismo, acrescentou: “Muitos deles desempenharam papéis significativos na formação e implementação de políticas discriminatórias e opressivas do atual regime islâmico. Eles também podem impor sanções Magnitsky contra os envolvidos em abusos dos direitos humanos.

Em 2016, os EUA implementaram uma legislação chamada “As Sanções Magnistsky”, em homenagem ao falecido denunciante anticorrupção russo Sergei Magnitsky, para punir os violadores dos direitos humanos.

Quando perguntado sobre o relatório do governo britânico e o que pode ser feito para impedir a perseguição aos cristãos iranianos, um porta-voz do Departamento de Estado dos EUA disse à Fox News Digital:

“Pedimos persistentemente ação contra os abusos dos direitos humanos do Irã nas Nações Unidas e em outros fóruns multilaterais. Também coordenamos estreitamente com os Aliados e parceiros, incluindo o Reino Unido, para compartilhar informações sobre possíveis alvos de sanções. O Departamento de Estado anuncia regularmente sanções aos autores dessas violações e insta parceiros com ideias semelhantes a responsabilizar os autores de violações. No entanto, como prática, não anunciamos essas ações com antecedência.”

De acordo com o porta-voz do Departamento de Estado dos EUA, “desde 1999, os Estados Unidos designaram o Irã anualmente como um país de preocupação especial por se envolver ou tolerar ‘violações particularmente graves da liberdade religiosa’. A designação é baseada em informações de todas as fontes relevantes, incluindo o Relatório Anual de Liberdade Religiosa Internacional.”

Mas, apesar disso, os críticos do governo Biden argumentam que a Casa Branca está priorizando um acordo nuclear com a República Islâmica, em detrimento dos direitos humanos, e que enriquecerá os cofres de um regime totalitário em Teerã.

De acordo com o especialista da Fundação para a Defesa das Democracias no Irã, Saeed Ghasseminejad, “o novo acordo nuclear permitiria a Teerã acessar até US$ 275 bilhões em benefícios financeiros durante seu primeiro ano de vigência e US$ 1 trilhão até 2030”.

Críticas e protestos

Críticos veteranos da República Islâmica dizem que o dinheiro do alívio das sanções fortalecerá os aparatos de repressão domésticos e estrangeiros do regime clerical. As administrações republicana e democrata classificaram a República Islâmica do Irã como o pior estado-patrocinador do terrorismo do mundo.

O estudo britânico foi divulgado em meio aos protestos generalizados contra a morte de Mahsa Amini. A polícia moral do Irã supostamente assassinou Amini por não cobrir adequadamente o cabelo com um hijab.

Os esforços atuais da República Islâmica para enfraquecer a fé cristã são abundantes. A organização Middle East Concern (MEC), que defende a liberdade religiosa dos cristãos no Oriente Médio e Norte da África, informou em agosto que dois cristãos iranianos foram presos na infame prisão de Evin, em Teerã. 

Fé cristã

O MEC informa que Homayoun Zhaveh e sua esposa, Sara Ahmadi, foram detidos em 13 de agosto após prisões anteriores por praticarem sua fé cristã.

Em 2019, Zhaveh passou um mês na prisão e Sara foi presa por 67 dias, onde “suportou extrema pressão psicológica”, escreveu o MEC. Em 2020, o sistema judicial opaco do regime iraniano condenou Sara a 11 anos de prisão “por seu suposto papel na liderança de uma igreja doméstica e Zhaveh a dois anos por ser membro da igreja doméstica”, disse o MEC.

Na sexta-feira, o pastor iraniano Hekmat Salimi, sua esposa Shirini e sua filha Sama partiram da Turquia para garantir asilo nos Estados Unidos. De acordo com um comunicado do Escritório Anglicano para Assuntos Governamentais e Internacionais, “um ministro anglicano que fugiu do Irã há seis anos por causa do constante assédio de agentes de inteligência e várias prisões recebeu sua liberdade quando os EUA aprovam um pedido de emergência para realocar a família da Turquia, onde vivem escondidos.”



Fonte: Guiame


01/11/2022 – Destak Gospel

COMPARTILHE

SEGUE A @DESTAKGOSPELFM

(21) 98232-3994

destakfm@msn.com
Rio de Janeiro

NO AR:
AUTO PROGRAMAÇÃO